Tempo de Refletir

Print Friendly, PDF & Email

UM CÂNTICO NA NOITE – 18 DE JULHO 2018

“Mas não há quem pergunte: Onde está Deus, o meu Criador, que de noite faz surgirem cânticos?” (Jó 35:10).

Dentre os amigos de Jó, apenas Eliú teve um vislumbre de sabedoria. Deus repreendeu os outros três homens por suas explicações incorretas a respeito do sofrimento de Jó (Jó 42:7-9). Eliú não estava em completa sintonia com a soberania de Deus, mas compreendeu que alguma coisa boa resultaria do sofrimento de Jó. Ele observou que as pessoas clamam a Deus geralmente por livramento, mas raramente pelo próprio Deus (Jó 34:10).

Davi passou por sofrimentos, e Deus concedeu-lhe um cântico: “Coloquei toda minha esperança no SENHOR; Ele se inclinou para mim e ouviu o meu grito de socorro. Ele me tirou de um poço de destruição, de um atoleiro de lama; pôs os meus pés sobre uma rocha e firmou-me num local seguro. Pôs um novo cântico na minha boca, um hino de louvor ao nosso Deus. Muitos verão isso e temerão, e confiarão no SENHOR” (Sl 40:1-3).

Quando você buscar a Deus em seus momentos difíceis, Ele lhe dará um cântico de adoração e louvor. Seu coração voltará a cantar, não importa quão terrível ou difícil seja a situação. Sempre que louvar a Deus, Ele interferirá na situação para remi-la e transformá-la de alguma forma. Louve a Deus pela maneira como Ele vai trabalhar em meio a sua dor, pelas vidas que Ele tocará mediante seu testemunho. Você talvez nunca venha a conhecer o alcance de seu testemunho, mas esteja certo de que Deus vai usa-lo para glorifica-Lo e atrair outros para mais perto de Jesus.

Ore comigo, agora: “Senhor, quando eu passar por uma noite escura da alma, peço que ilumines minhas trevas com a Tua presença. Diante da situação mais obscura, erguerei cânticos de louvor a Ti, sabendo que habitarás no meio deles. Em nome de Jesus, amém!”


ACEITE E OFEREÇA GRAÇA – 17 DE JULHO 2018

“Levem saúde para os doentes. Ressuscitem os mortos. Toquem os que são considerados imundos. Expulsem demônios. Vocês são tratados com generosidade, por isso vivam generosamente” (Mateus 10:8, AM).

Existe algo dentro de nós que reage à dádiva gratuita de Deus. Temos a estranha mania de criar leis, sistemas e regras que nos tornarão “dignos” de nosso presente.

Por que fazemos isso? A única razão que me ocorre é o orgulho. Aceitar a graça significa aceitar que precisamos dela, e a maioria das pessoas não gosta de fazer isso. Aceitar a graça também significa perceber nossa situação desesperadora, e a maioria das pessoas também não está muito propensa a admitir isso.

A Bíblia fala de alguém que recebeu um favor inesperado e certamente o aceitou de bom grado: Barrabás (Mt 27:16-26). Estava encalhado, sem esperanças, no corredor da morte. Talvez não tenha entendido o favor e certamente não o merecia, mas não estava disposto a recusá-lo.

É bom perceber que nossa condição não é muito diferente da de Barrabás. Nós também somos prisioneiros sem chance de apelação.

Nada mais apropriado, portanto, que transbordar de gratidão porque Deus age em nosso interior para que possamos receber a salvação, pela graça. E nada mais apropriado, também, que tratar outros com a mesma graça que recebemos.

Ore comigo, agora: “Senhor, obrigado pela graça da salvação. Perdoa-me pelas ocasiões em que meu orgulho me impediu de receber outras manifestações dessa bondade imerecida. Ajuda-me a tratar os outros com a mesma graça. Em nome de Jesus, amém!”


SUA VERDADEIRA IDENTIDADE – 16 DE JULHO 2018

“Alguns creram nEle e O receberam, e a estes Ele deu o direito de se tornarem filhos de Deus” (João 1:12, NTLH).

Quando alguém pergunta “Quem é você?”, provavelmente sua primeira resposta será “Meu nome é…”. Se você der também o sobrenome, posso chegar mais perto ainda de sua identidade. Se eu for visitar uma universidade e fizer a mesma pergunta, ouvirei muitas respostas: “Sou novato”, “faço Administração”, “toco na banda”, “canto no coral”, etc.

Há outro grupo que encontra sua identidade no trabalho e vai responder: sou médico, advogado, professor, empresário, tenho meu próprio negócio, etc. Outros, ainda, encontram sua identidade se referindo ao lugar de nascimento: sou nordestino, paulista, gaúcho, etc. Para alguns, você nem precisa perguntar “Quem é você?”, porque, quando vêm falar com você, têm um crachá com o nome e a função que exercem. Sua identidade fica resumida à identificação que têm naquele pedaço de plástico.

Depois de tudo isso que você leu, pergunto: O que torna você mais você? Você está contente com a pessoa que é? Que outras características pessoais você quer ter? Há alguma coisa sobre você que o faz diferente de todos os demais e o torna especial? Você está contente com a pessoa em que se tornou?

Hoje o mundo utiliza diferentes padrões para avaliar nossa identidade. Um deles está relacionado com posses. Você se sentiria uma pessoa mais importante se tivesse uma BMW ou um Uno Mille? Se em lugar de um Casio tivesse um Rolex? Depois de se preocupar com o que tem, sua reação pode ser igual à declaração de alguém que disse: “Levo minha vida comprando coisas que eu não preciso, com dinheiro que eu não tenho, para impressionar pessoas de quem eu não gosto.”

Quando nossa identidade está em Cristo, já não vamos nos preocupar pelo fato de sermos medidos de acordo com os padrões do mundo. Quanto mais eu ensaiar quem sou em Cristo, mais perto vou chegar da identidade que Deus deseja que eu tenha.

Quem somos nós? Sal da terra e luz do mundo (Mt 5:13, 14), e amigos de Cristo (Jo 15:15). Fomos redimidos e perdoados de todos os nossos pecados (Cl 1:14). Nada pode nos separar do amor de Deus (Rm 8:39). Podemos todas as coisas em Cristo, que nos fortalece (Fp 4:13).

O melhor que Jesus pode dizer sobre a nova identidade é que somos uma nova criação: “Se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas” (2Co 5:17).


SEDENTO DE DEUS – 15 DE JULHO 2018

“Ó Deus, Tu és o meu Deus, eu Te busco intensamente; a minha alma tem sede de Ti! Todo o meu ser anseia por Ti, numa terra seca, exausta e sem água” (Salmo 63:1).

Se você estivesse perdido no deserto sem comer ou beber, buscaria alimento e água onde pudesse encontra-los, independentemente das condições em que os encontrasse. Não se importaria com as impurezas da água ou com seu gosto desagradável porque desejaria sobreviver. Deus, porém, tem muito mais para você que apenas a sobrevivência.

Do que você tem fome e sede no momento?

Quando ansiou por Deus, o rei Davi disse: “Como a corça anseia por águas correntes, a minha alma anseia por Ti, ó Deus. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando poderei entrar para apresentar-me a Deus?” (Sl 42:1-2). Ele queria o Senhor mais que tudo. A presença de Deus era alimento e água para ele.

Você já teve essa sede de Deus? Às vezes não a experimentamos até saber o que significa peregrinar no deserto de nossos desejos. Agarramos o que o mundo tem a oferecer apenas para descobrir que isso nos deixa vazios.

Jesus disse certa vez: “Se alguém tem sede, venha a Mim e beba. Quem crer em Mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água vida” (Jo 7:37,38). Jesus citava um convite: ”Venham, todos vocês que estão com sede, venham às águas” (Is 55:1). Quando saciarmos a sede espiritual no Senhor, seu Espírito fluirá através de nós, e rios de água vida correrão de nós.

Beba de tudo o que Deus tem para você em Sua Palavra, em Sua presença e em oração e louvor, e jamais terá sede novamente.

Ore comigo: “Senhor, mais do que qualquer outra coisa, quero a Tua presença. Faz correr Teus rios de água viva em meu coração de modo que possam revigorar minha alma e, então, fluir através de mim para um mundo seco e sedento. Em nome de Jesus, amém!”


FORÇA NA FRAQUEZA – 14 DE JULHO 2018

“Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte” (II Coríntios 12:10).

Dave Dravecky confiava sua vida a Deus a cada manhã. Ele era jogador de beisebol e lançador da uma equipe em São Francisco, Califórnia. Quando um câncer foi descoberto em seu braço, ele simplesmente colocou-se nas mãos de Deus, e um milagre aconteceu. Embora uma cirurgia tivesse removido o músculo utilizado para lançar a bola, contrariando todas as previsões, Dave voltou a jogar. Milhares de torcedores o aplaudiram muito no dia em que ele reapareceu, vencendo uma partida. Porém, uma semana depois, durante um jogo em Montreal, ele quebrou o braço e caiu diante da multidão horrorizada.

Enquanto era retirado de campo, Dave reafirmava sua fé em Deus, e a manteve durante longos meses de incerteza. Dessa vez, os médicos tiveram que amputar seu braço. Mas ele nunca demonstrou o menor sentimento de amargura. Jornalistas de todo o país exaltavam a fé desse bom cristão. Acredito que foi preciso mais fé para Dave aceitar a situação de deficiência, do que para pedir o milagre da cura. Com a aceitação da vontade divina por parte de Dave, Deus exibiu um milagre maior do que a cura física.

Paulo também tinha um mal físico incurável. Por três vezes, pediu que Deus o curasse. A resposta de Deus foi direta: “A Minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza.” A resposta de Paulo foi notável: “De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas… Sinto prazer… nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte” (2Co 12:9 e 10).

Podemos nos tornar mais fortes espiritualmente quando chegamos a nosso ponto mais fraco. É que Deus está perto, e, pela fé, estendemos nossa mão e seguramos Sua mão, certos de que Ele não nos soltará.


FÉ EM MEIO À ESCASSEZ – 13 DE JULHO 2018

“Depois disso Jesus apareceu novamente aos Seus discípulos, à margem do mar de Tiberíades. Foi assim: Estavam juntos Simão Pedro, Tomé, chamado Dídimo; Natanael, de Caná da Galiléia; os filhos de Zebedeu; e dois outros discípulos. ‘Vou pecar’, disse-lhes Simão Pedro. E eles disseram: ‘Nós vamos com você’. Eles foram e entraram no barco, mas naquela noite não pegaram nada. Ao amanhecer, Jesus estava na praia” (João 21:1-4).

Essa não foi a primeira noite que Pedro passou no mar da Galiléia, também conhecido como mar de Tiberíades. Afinal de contas, ele era pescador. Como os outros, ele trabalhava à noite, pois sabia que os peixes vinham se alimentar perto da superfície após o entardecer e voltavam para as profundezas durante o dia.

Não, essa não foi a primeira noite que Pedro passou no mar da Galiléia. Nem foi a primeira noite em que não pescou nada.

Na maioria das manhãs, Pedro e seus parceiros vendiam peixe, consertavam as redes e iam para casa descansar, levando um saco de dinheiro e um sentimento de satisfação. Naquela manhã em participar, não havia dinheiro. Não havia satisfação. Eles trabalharam a noite inteira, mas não tinham nada para mostrar como resultado, exceto costas cansadas e redes gastas. Todas as manhãs, a orla se transformava num mercado onde os moradores do local vinham comprar seu peixe, mas naquele dia não tinham nenhum peixe.

Mas, ao amanhecer, tinham Jesus. E isso fez toda diferença.

Ore comigo: “Pai, muitas vezes a escassez chega, mas sei que, mesmo nessas horas, Jesus está conosco. Nunca permita que eu desanime quando me faltarem dinheiro e bens, mas fortalece minha fé na provisão que vem de Cristo. Em nome de Jesus, amém!”


PARTICIPAÇÃO COMPLETA – 12 DE JULHO 2018

“E não precisava de que alguém lhe desse testemunho a respeito do homem, porque ele mesmo sabia o que era a natureza humana” (João 2:25, ARA).

Leia a tradução de J.B. Phillips para Hebreus 4:15: “Pois nosso Sumo Sacerdote não é incapaz de compadecer-se de nossas fraquezas – Ele próprio participou plenamente de toda a nossa experiência de tentação, exceto pelo fato de jamais ter pecado”.

A ênfase é sobre a empatia total de Jesus.

Ele próprio. Não um anjo. O próprio Jesus.

Todas as nossas experiências. Todos os sofrimentos e tensões. Sem exceção.

O empresário põe um capacete e entra na fábrica como se fosse um dos empregados. O assistente social passa uma noite na rua com os sem-teto. O general almoça com os soldados no refeitório.

Os três querem dizer: “Eu me identifico com vocês e os entendo”. Só há um problema. Os empregados da fábrica sabem que o capacete do empresário some depois da visita. Os desamparados sabem que o assistente social estará numa cama aconchegante na noite seguinte. E os soldados têm perfeita consciência de que, para cada refeição que o general faz no refeitório com eles, fará muitíssimas outras no alojamento dos oficiais. Por melhores que sejam suas intenções, a participação deles é parcial.

No caso de Jesus, no entanto, Sua participação foi completa. Para quê? Para que pudesse compreender nossas fraquezas.

Ore comigo: “Muito obrigado Jesus, porque compreendes minhas fraquezas. Quero andar cada vez mais perto de Ti, debaixo de Tua graça e de Tua plena aceitação. Em nome de Jesus, amém!”


O NOSSO DILEMA – 11 DE JULHO 2018

“Que farei então com Jesus, chamado Cristo?” (Mateus 27:22).

Ele foi acordado por seus oficiais de manhã bem cedo. Levantou-se impaciente, irritado, com a intenção de resolver logo o problema. Era um homem que desejava manter a posição, o prestígio e a popularidade. Ao olhar para Jesus, uma batalha começou a tomar lugar em sua mente. O bom homem que estava adormecido dentro de si despertou. O coração de Pilatos dizia: “Deixe Jesus viver.”

Ele tentou arrazoar com a multidão. Estava tão confuso que a narrativa de Lucas diz que ele fez a mesma afirmativa em três momentos diferentes, dizendo: “Não achei nEle crime algum.” Cinco vezes postergou a decisão, esperando que a multidão mudasse de ideia. Três vezes esteve frente a frente com Jesus, olhando nos olhos dEle. A consciência lhe dizia: “Não há nada de errado com esse homem. Talvez um pouco de mistério, sim. Mas não há nenhuma razão para prendê-Lo.” E depois de interrogar Jesus, Pilatos ficou convencido de que Ele não fizera nada digno de morte.

Além disso, Pilatos tinha recebido um bilhete da esposa. Não era apenas uma questão de intuição feminina. Ela havia tido um sonho no qual viu Jesus sendo crucificado, ressuscitado e voltando em glória. O bilhete era curto: “Não se envolva com este Inocente […]” (Mt 27:19).

“Que mal fez? Vou castigá-Lo e soltá-Lo”, disse ele. Mas as vozes da multidão prevaleceram. Prevaleceram o medo e a fome de poder de Pilatos. Ele sabia o que devia fazer e não fez. Sabia o que devia dizer, mas não disse, por causa da “pressão do grupo”.

Para amainar a ira do povo, mandou açoitar Jesus. Depois de tentar soltar Jesus, sem resultado, ele perguntou: “Que farei então com Jesus, chamado Cristo?” Essa pergunta é definida por alguns pregadores como a mais importante que qualquer ser humano possa fazer. Pilatos fez essa pergunta há muito tempo, mas cada um de nós, em algum momento da vida, deve responder à mesma pergunta.

Como governador romano, ele tinha a última palavra, mas deteve a voz da consciência e tomou a decisão final de crucificar Jesus.

Como vamos responder à pergunta: “Que farei então com Jesus, chamado Cristo?” Vamos aceitá-Lo como alguém inocente? Não deixe que os outros, a multidão, as circunstâncias o levem a tomar uma decisão diferente daquela que você tem convicção de ser a melhor.

Quero convidá-lo para que responda pessoalmente: “O que eu, ___ (coloque seu nome), farei de Jesus, chamado Cristo?”


NÃO TENHA MEDO! – 10 DE JULHO 2018

“Tu, Senhor, guardarás em perfeita paz aquele cujo propósito está firme, porque em Ti confia” (Isaías 26:3).

Jesus nunca desamparou os seus. Ele sempre fez questão de mostrar a luz no fim do túnel, de apontar caminhos e conceder esperança. Por isso, muitas vezes Ele falou com o propósito de dar segurança aos Seus discípulos – os de então, às vésperas de enfrentar muita perseguição em seus dias, e os que os sucederiam, eu e você. Um exemplo são as palavras de Cristo em João 16:33: “Eu lhes disse essas coisas para que em Mim vocês tenham paz. Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo”.

Paz. Esperança. Promessa. Bonança após a tempestade.

E isso não ocorreu uma única vez, A segurança que vem de Cristo é constante. Ao conversar com Seus amigos mais próximos, Ele disse: “Tudo isso lhes tenho dito enquanto ainda estou com vocês. Mas o Conselheiro, o Espírito Santo, que o Pai enviará em Meu nome, lhes ensinará todas as coisas e lhes fará lembrar tudo o que Eu lhes disse. Deixo-lhes a paz; a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbe o seu coração, nem tenham medo” (Jo 14:27).

Jesus nos deixou a paz. Ele nos deu Sua paz.

Não se turbe o seu coração.

Não tenha medo.

Ore comigo: “Pai, obrigado pela segurança que temos em Jesus. Uma paz que excede todo o entendimento e que nos protege de todo o medo. Que nas horas de angústia sempre nos lembremos disso. Em nome de Jesus, amém”.


UMA QUESTÃO DO CORAÇÃO – 09 DE JULHO 2018

“Guardei no coração a Tua palavra para não pecar contra Ti” (Salmo 119:11).

O Salmo 119 é um poema com 22 estrofes, e cada uma dessas estrofes leva como título uma das 28 letras do alfabeto hebraico. O título da primeira estrofe é Aleph, a primeira letra do alfabeto, e assim todas as estrofes são nomeadas com o restante das letras.

No maior livro da Bíblia, o maior capítulo exalta e celebra a lei, a Palavra de Deus. A Bíblia é chamada pelo salmista como “Tua Palavra”. A Bíblia pode ser, na estante, o livro mais importante ou pode ser como qualquer outro livro. A diferença está na quantidade de tempo que lhe dedicamos e para que a usamos.

Uma das coisas fascinantes na Bíblia é que ela é um livro para gente jovem. Verso 9 – Como pode o jovem manter pura a sua conduta? Nesse verso está a pergunta mais difícil a ser respondida por um jovem: Como pode se manter puro diante de tanta imoralidade aberta e disponível a qualquer hora? Já que tem tanta energia e hormônios à flor da pele, como o jovem pode ser e se manter puro?

Como podemos salvar o coração, a mente e o corpo do jovem? Seria bom que essa pergunta fizesse parte de sua oração: “Como posso manter puro meu coração?” A resposta é clara. A Bíblia deve ser nosso guia e devemos cuidar para exercitar vigilância, para que nossa vida esteja de acordo com o que Deus pede.

Verso 11 – Guardei no coração a Tua palavra. Que lugar melhor existiria ou que solo seria mais fértil para a Bíblia do que um novo coração?

Vamos esconder, entesourar, guardar dentro do coração renovado a Palavra de Deus!

Um famoso pregador resumia o verso 11 da seguinte maneira: “A melhor coisa, no melhor lugar, para o melhor propósito.” Ou seja, a melhor coisa – a Palavra de Deus; no melhor lugar – o coração; para o melhor propósito – guardar-nos de pecar.

“A Tua palavra é lâmpada que ilumina os meus passos e luz que clareia o meu caminho” (Sl 119:105). A lei, ou a Palavra de Deus, não se apresenta como espelho, mas como lâmpada para nossos pés. E já que é uma lâmpada para os pés, somos capazes de andar confiantes onde antes tropeçávamos. “Uma luz, nova e preciosa, irradia de cada página. A verdade é revelada, palavras e frases se tornam claras e apropriadas para a ocasião” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 132).

A Bíblia é mesmo a Palavra de Deus!


FIEL SEMPRE – 08 DE JULHO 2018

“Deus não é injusto; Ele não se esquecerá do trabalho de vocês e do amor que demonstraram por Ele… Queremos que cada um de vocês mostre essa mesma prontidão até o fim, para que tenham a plena certeza da esperança” (Hebreus 6:10,11).

Servos confiáveis. Eles são a amarração da Bíblia. Seus atos raramente são relatados e seus nomes quase nunca mencionados. Contudo, não fosse por sua leal devoção a Deus, muitos eventos grandiosos nunca teriam ocorrido. Veja alguns exemplos:

Considerando que era um dos apóstolos, André é mencionado, para nossa surpresa, apenas algumas vezes. Contudo, toda vez que é mencionado, ele está fazendo a mesma coisa: apresentando alguém a Jesus. Sem holofotes, sem palco, sem comentários – nada mal para um epitáfio.

Epafrodito faria parte dessa lista. O refinado elogio de Paulo a Epafrodito foi expresso por meio destas palavras: “Ele quase morreu por amor à causa de Cristo”. Você pode apostar que Paulo, que sabia o que significava morrer pela causa, levava esse sacrifício muito a sério.

Seus cabelos estão grisalhos. Sua pele está enrugada. Talvez suas mãos tremam ao tocar a face da criança. Mas não há nada de senil nas palavras dela. “É Ele. É o Messias”. Ana sabia. Ela orava e jejuava por aquele dia havia oito décadas. Servos fiéis têm um jeito de saber o que é uma resposta de oração quando a veem, e um modo de não desistir enquanto não a enxergam.

Ore comigo: “Senhor Jesus, que eu possa ser fiel a ponto de te servir de modo confiável. Quando sentir vontade de desistir, dá-me esperança. Quando me sentir desanimado, lembra-me de que Tu caminhaste pela Via Dolorosa, seguindo até à morte. Que minha vida seja vivida de maneira firme e fiel a Ti. Em nome de Jesus, amém!”


CORAÇÃO QUEBRANTADO – 07 DE JULHO 2018

“O centurião e os que com ele guardavam a Jesus… ficaram possuídos de grande temor e disseram: Verdadeiramente este era Filho de Deus” (Mateus 27:54).

Era uma época violenta, uma terra violenta, uma gente violenta – e ele era um homem violento. O centurião romano era um guerreiro de coração empedernido, calejado e rude, um soldado de sorte, sempre em guarda contra armadilhas inesperadas. Ele era verdadeiramente um candidato improvável para o reino de Deus. Sendo o superintendente de execuções, seu coração encontrava-se endurecido.

Na manhã de sexta-feira, ele recebeu ordens de conduzir a execução. Seu único pensamento era: Vamos fazer o que temos que fazer, e logo! As Escrituras chamam-no de centurião, um comandante de 100 soldados. Ele ficou admirado por Jesus não oferecer resistência.

O centurião era um militar endurecido. Ele fora treinado para vencer. Existe um pouco do centurião em todos nós. Por vezes, lutamos defensivamente para proteger nossos pequenos reinados. Opiniões conflitantes tornam-se campos de batalha entre indivíduos. Mas existia algo diferente acerca de Jesus, que atraía sua atenção. O olhar de dor de Jesus trouxe-lhe serena confiança. Diante de todo aquele sofrimento, nenhuma palavra dura saiu de Seus lábios.

O centurião ouviu o Salvador orar: “Pai, perdoa-lhes” (Lc 23:34). Ao contemplar o drama que se desenrolava diante dele, algo o deixava como que fora de si. Ele estava sendo atraído para aquele Homem.

O centurião pode ter lembrado do julgamento feito por Pilatos. Jesus era poderoso na fraqueza. Sua cruz era o Seu trono. Sua coroa de espinhos, Seu diadema de glória. Ali na cruz, o centurião exclamou: “Verdadeiramente este era Filho de Deus.”

Até mesmo o centurião foi transformado pelo poder de Deus. Jesus tomou aquele oficial romano sem sentimento, cruel e empedernido, e transformou-o em outro homem.

Jesus ainda Se dedica a transformar corações calejados. Seu amor ainda vence nosso orgulho. Por que não permitir que Ele faça isto por você, hoje?


COMPARTILHE GRAÇA! – 06 DE JULHO 2018

“Se eu, sendo Senhor e Mestre de vocês, lavei-lhes os pés, vocês também devem lavar os pés uns dos outros. Eu lhes dei o exemplo, para que vocês façam como lhes fiz” (João 13:14 e 15).

Jesus sabia quem era e o porquê de Sua vida. Quem era Ele? O Filho de Deus. Por que estava na Terra? Para servir ao Pai. Jesus sabia qual era Sua identidade e Sua autoridade e, “assim, levantou-se da mesa, tirou Sua capa e colocou uma toalha em volta da cintura. Depois disso, derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos Seus discípulos, enxugando-os com a toalha que estava em Sua cintura” (Jo 13:4,5).

Jesus tocou as partes malcheirosas e feias de seus discípulos. Sabendo que viera de Deus. Sabendo que iria para Deus. Sabendo que poderia simplesmente levantar a sobrancelha ou pigarrear e todo anjo do Universo se colocaria imediatamente à Sua disposição. Sabendo que toda a autoridade era dEle, Ele trocou Suas vestes pelo uniforme de servo, rebaixou-se até a altura do joelho e começou a esfregar e limpar a imundície, a sujeira e a podridão que os pés deles haviam coletado durante a jornada.

Jesus lavou as partes mais imundas da sua vida. Ele não passou direto nem levou a bacia na direção de outra pessoa. Você não pode compartilhar Sua graça com outras pessoas?

Aceitar a graça é aceitar o voto de distribui-la.

Ore comigo: “Senhor Jesus, como podemos nós, que já fomos amados de tal maneira, não fazer o mesmo pelos outros? Porque nos perdoaste, podemos perdoar os outros. Porque Tu tens um coração perdoador, podemos ter um coração perdoador. Todos nós estamos aqui por Tua graça e, em determinado ponto, todos nós precisamos compartilhar um pouco da graça”.


VER COM OS OLHOS DE DEUS – 05 DE JULHO 2018

“Bem-aventurados, porém, os vossos olhos, porque veem; e os vossos ouvidos, porque ouvem (Mateus 13:16).

Repetidas vezes o Novo Testamento nos conclama a olhar para as pessoas com os olhos de Deus. Somos convidados a ver as pessoas de uma nova maneira. O apóstolo Paulo afirma isto em II Coríntios 5. Ele escreve sobre Jesus morrendo por todo o mundo, tendo em vista a salvação de cada um dos seres humanos (versos 14 e 15). Ele escreve sobre a diferença que faz o sacrifício, como devemos olhar para as pessoas através do amor de Cristo.

Sob essa ótica, passamos a olhar para elas como pessoas por quem Cristo morreu. Você sabe o que isto significa? Significa que essas pessoas têm um valor infinito.

Olhar para as pessoas com os olhos da graça. É isso que importa. É isso que faz a diferença neste mundo. Não ficamos fascinados com a embalagem. Olhamos o que existe no interior. Focalizamos aquilo em que as pessoas se tornam.

Isto faria diferença no trabalho. Há pessoas no seu local de trabalho que têm tanto para dar, mas que são deixadas em seu canto só por causa da aparência.

Faria diferença no casamento. Precisamos ser valorizados por aqueles que estão perto de nós, e precisamos ser valorizados principalmente pelo que há em nosso interior.

E faria uma diferença enorme para os filhos. Eles precisam crescer sabendo que são valorizados pelo que existe em seu interior, por seu potencial, por seu caráter. Há muitas coisas no mundo dos adolescentes que falam exatamente o oposto. Eles são classificados pela aparência e pelo desempenho. Querem muito ser aceitos, ser populares. Mas a popularidade é tantas vezes determinada por coisas superficiais e exteriores.

Para Deus, o caráter é o que conta. Deus olha para a pureza dos nossos motivos. Ele olha para a sinceridade do nosso coração. Ele olha para a sinceridade de propósito em nossa vida. Quando olharmos com os olhos de Deus, também veremos muito além da superfície. Veremos não meramente o que as pessoas fazem, mas olharemos para a pureza do seu propósito. Veremos o valor de cada indivíduo. Teremos mais consideração para com os que estão próximos de nós. Afinal, eles foram criados à imagem de Deus e remidos pelo Seu sangue.


SUBSTITUA A ANSIEDADE – 04 DE JULHO 2018

“Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida?” (Lucas 12:25).

Nenhum de nós pode acrescentar um único momento a nossa vida ficando preocupado. De fato, o contrário talvez seja mais legítimo. Na verdade, deixamos de viver quando nos preocupamos. Além de desperdiçar tempo, a ansiedade é capaz de causar-nos problemas de saúde, que afinal poderiam encurtar a vida.

Jesus pede que rejeitemos a preocupação porque, independentemente de nossos problemas, Ele já os venceu: “Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham bom ânimo! Eu venci o mundo” (Jo 16:33). Podemos ficar livres da ansiedade passando tempo com Ele. “Quando a ansiedade já me dominava no íntimo, o Teu consolo trouxe alívio à minha alma” (Sl 94:19).

A ansiedade pode significar falta de confiança no cuidado de Deus por você. Ele demonstrará sua fidelidade se você se colocar diante dEle. “Não busquem ansiosamente o que comer ou beber; não se preocupem com isso. Pois o mundo pagão é que corre atrás dessas coisas; mas o Pai sabe que vocês precisam delas. Busquem, pois, o reino de Deus, e essas coisas lhes serão acrescentadas” (Lc 12:29-31).

Deus diz que não precisamos ficar ansiosos com nada; devemos apenas orar por tudo. Em vez de preocupar-se, leve suas preocupações Àquele que é a fonte do consolo, da força e da esperança. Deus tem seu futuro nas mãos.

Reflita sobre isso no dia de hoje e, ore comigo: “Querido Deus, peço que me ajudes a parar de me preocupar em relação às coisas e comece a passar mais tempo na Tua presença. Sei que o tempo que desperdiço é mais bem usado para orar e ouvir a Tua voz falando ao meu coração. Tu és a minha fonte de poder, esperança, amor, paz e descanso, e quero estar conectado a Ti, não às coisas que me preocupam. Em nome de Jesus, amém!


PROBLEMAS? – 03 DE JULHO 2018

“Muitas são as aflições do justo, mas o Senhor de todas o livra” (Salmo 34:19).

A maioria das mensagens que recebo é de pessoas que estão atravessando o vale da aflição. Quase todas têm a mesma pergunta: “Por que os problemas aumentam na minha vida cada vez que decido aproximar-me de Jesus?”

O verso de hoje é a resposta. Neste verso, achamos duas promessas. A primeira é: “Muitas são as aflições do justo”; a segunda: “O Senhor de todas o livra.”

Se você quer ser um cristão autêntico, prepare-se para receber ambas as promessas. A primeira é que neste mundo você enfrentará momentos de dificuldade. Isso é bíblico. Escrevendo aos filipenses, Paulo disse: “Porque vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo” (Fp 1:29). E o próprio Senhor Jesus afirmou diante de Seus discípulos: “No mundo, passais por aflições” (Jo 16:33).

O sofrimento é uma realidade da vida. É inevitável. Muito mais para quem decide seguir a Jesus. Mas a segunda promessa afirma que, finalmente, o Senhor livrará Seus seguidores de todas as dificuldades.

Muita gente imagina a felicidade como uma vida sem problemas. Mas, neste mundo, os espinhos fazem parte da rosa, a noite faz parte do dia e as lágrimas fazem parte da alegria. Você pode ser feliz em meio às dificuldades, se souber administrá-las na certeza de que o Senhor o livrará de todas elas.

O Salmo 34 é um hino de louvor a Deus porque Deus livrou o Seu povo, e não porque os Seus filhos não tiveram dificuldades. Entender esse fato pode ser o começo de uma nova dimensão na vida.

Deus cura o coração ferido, mas a intervenção divina não teria sentido se o coração não estivesse ferido. Ele restaura seus sonhos porque eles foram destruídos. Deus prometeu livramento, não isenção do problema.

Quais são as aflições que você está enfrentando hoje? Não importa. Antes de partir para enfrentar a montanha de dificuldades que está diante de você, decore este verso e repita-o ao longo do dia: “Muitas são as aflições do justo, mas o Senhor de todas o livra.”


O PLANO DE DEUS PARA VOCÊ – 02 DE JULHO 2018

“Meu filho, dê-me o seu coração; mantenha os seus olhos em Meus caminhos” Provérbios 23:26.

Deus tem planos maravilhosos para você. Sei disso, pois Ele mesmo o prometeu. Ele diz que você nunca viu, ouviu ou imaginou algo tão extraordinário quanto os planos dEle para sua vida (1Co 2:9).

Não queira tentar garantir seu futuro com seus próprios planos. Ele, em Sua infinita sabedoria, sabe e deseja o que e melhor para você. Por isso, deseje estar no centro dos planos de Deus destinados ao seu bem, com a certeza de que Ele lhe dará todo o necessário para lidar com o que vem pela frente. Quando orar, confesse a Deus os seus temores e suas dúvidas e peça ao bondoso Pai celestial que Ele o fortaleça para que você persevere sempre.

Lembre-se de que Deus “é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o Seu poder que atua em nós” (Ef 3:20). Mantenha os olhos fixos no Senhor, e Ele o guardará em perfeita paz enquanto o conduz ao futuro que preparou especialmente para você.

Lance todos os seus cuidados sobre o Senhor, sabendo que Ele cuida de você e não o deixará cair. O Senhor deseja segurar a sua mão hoje para que você ande ao lado dEle em direção ao futuro que Ele mesmo lhe preparou.

Reflita sobre isso e ore comigo: “Amado Deus, muito obrigado pelos planos perfeitos que tens para mim. Entrego meu futuro a Ti e peço que me concedas paz completa a respeito do amanhã. Obrigado, Espírito Santo, porque estás sempre comigo e me guiarás ao longo do caminho, a fim de que eu não me desvie. Em nome de Jesus, amém”.


LÂMPADA E LUZ – 01 DE JULHO 2018

“Porque o mandamento é lâmpada, e a instrução, luz; e as repreensões da disciplina são o caminho da vida” (Provérbios 6:23).

Cristina, uma jovem portuguesa, me perguntava como era possível que um Deus de amor e liberdade pudesse ter ensinamentos tão limitadores e proibitivos. “Não combina”, dizia ela. “Algo está errado com a Bíblia.” Mas o erro não está na Bíblia, e sim com o conceito errado dos conselhos divinos.

Salomão fala hoje de três coisas: o mandamento, a instrução e as repreensões. Ele compara o mandamento e a instrução com a lâmpada e a luz. Ambas servem para romper o poder das trevas, que é destrutivo. Em meio à escuridão, você não enxerga o caminho e não tem condições de chegar ao seu destino. Em meio às sombras, você não anda com presteza, avança com dificuldade e, quando percebe, já está relegado a um segundo plano. Quando não há luz, você não distingue as formas nem as cores. Acreditando que está escolhendo o verde, pode estar pegando o vermelho. Em meio à escuridão, você caminha, sem saber, no rumo da própria morte.

O ser humano precisa da luz e da lâmpada. Sem eles, não há como atravessar a escuridão deste mundo e chegar com êxito onde deseja. É preciso luz para saber qual o caminho certo. Os mandamentos e as instruções divinas são essa luz. Seu propósito não é cercear a liberdade, mas iluminar o caminho.

As repreensões, por sua vez, têm como propósito despertá-lo quando está adormecido e trazê-lo de volta ao caminho da vida quando está se aproximando perigosamente da morte.

Pense, por exemplo, na última derrota que você sofreu. Tente descobrir a causa. Tudo aquilo teria acontecido se você tivesse prestado atenção às instruções divinas? A vida está cheia de leis e princípios. O respeito a essas leis é garantia de bem-estar. Menosprezá-las é teimosia e imprudência. O preço é sempre alto.

Antes de iniciar as atividades deste novo dia, olhe à sua volta. Comece por você e por seus amados. Que ajustes precisam ser feitos? Que passos precisam ser dados para conservar a harmonia de relacionamentos gratificantes? Tenha em conta a Deus. “Porque o mandamento é lâmpada, e a instrução, luz; e as repreensões da disciplina são o caminho da vida.”


JULHO 2018


LIVRE DO DOMÍNIO DO MAL – 30 DE JUNHO 2018

“Quando se aproximaram de Jesus, viram ali o homem que fora possesso da legião de demônios, assentado, vestido e em perfeito juízo, e ficaram com medo” (Marcos 5:15).

Logo que o barco chegou à praia, os discípulos ouviram gritos que vinham de uma elevação próxima. Então, viram um homem de cabelos longos, roupa em farrapos e olhar selvagem. Era incontrolável. Tinha sido excluído de qualquer contato humano, por isso vivia entre os sepulcros. Nem mesmo as correntes podiam prendê-lo. Era uma demonstração vívida de como a possessão demoníaca distorce e destrói a imagem de Deus no ser humano.

Antes disso, imaginando o que poderia estar acontecendo com ele, seus amigos tentaram levar curandeiros, adivinhos, pais-de-santo, jogar búzios, tarô, receitaram simpatias, encantamentos… mas nada tinha dado certo. Ele era um homem temido, evitado e abandonado.

Ao descrever com detalhes o que aconteceu, Marcos menciona três pedidos apresentados na realização do milagre:

O primeiro pedido é o dos demônios. Nas proximidades havia uma manada de porcos. Os demônios disseram: “Manda-nos para os porcos.” Quer dizer, preferimos continuar vivendo na sujeira, deitando e rolando na lama. E numa disparada, lá se foram os porcos num “salto olímpico” precipício abaixo. Os “frigoríficos” daquela época ficaram sem matéria-prima durante bom tempo.

O segundo pedido foi o dos habitantes de Gerasa. Os mais exaltados da cidade começaram a incitar a multidão, dizendo: “Se Jesus ficar por aqui, nosso pólo de produtos suínos vai perder a hegemonia. Queremos tranquilidade. Por favor, saia do nosso território.”

Finalmente, veio o pedido do homem curado, solicitando a Jesus que lhe permitisse ficar com Ele. “Quero um novo ambiente. Todos aqui já me conhecem. Não vão me aceitar.” Porém, Jesus lhe deu uma missão: “Volte para casa e para os seus amigos. Conte como Deus foi misericordioso com você.”

“Nem um dos sermões de Seus [de Jesus] lábios lhes caíra jamais ao ouvido. […] Podiam dizer o que sabiam; o que eles próprios tinham visto e ouvido, e experimentado do poder de Cristo. É o que a todo aquele cujo coração foi tocado pela graça de Deus, é dado fazer” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 340).

O homem voltou transformado para a cidade e para casa. Era uma nova pessoa. Vestido, limpo, sem cadeias nas mãos ou nos pés, em são juízo. Livre!

“Se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram, eis que surgiram coisas novas!” (2Co 5:17).


E FECHOU-SE A PORTA – 29 DE JUNHO 2018

“As virgens que estavam preparadas entraram com ele para o banquete nupcial. E a porta foi fechada” (Mateus 25:10).

Poucas frustrações podem ser comparadas àquela de enfrentar uma porta fechada num momento decisivo. Pense naquele documento que precisava ser assinado e entregue no dia, mas não deu tempo. Ou no dinheiro que tinha que ser retirado do banco, no entanto, a agência estava fechada. Imagine os portões da universidade sendo fechados e seu vestibular tendo que ficar para outra vez. O check-in foi encerrado e o fim da viagem, que dependia de uma conexão, teve que ser adiado. Em todas essas situações e muitas outras, os sentimentos que frequentemente dominam as pessoas são a frustração, a raiva e, em alguns casos, até mesmo desespero.

Ali está você, desapontado, recriminando-se, gritando com aqueles que podiam dar um jeitinho de abrir a porta. “Se tivesse saído cinco minutos antes”, “Se tivesse começado meu trabalho com mais antecedência”, “Poderia ter vindo por outro caminho e teria chegado mais cedo”… E as desculpas que damos pelo atraso ou ausência são conhecidas: “O trânsito estava terrível”, “Pensei que o horário fosse outro”, etc.

Só que nenhuma dessas decepções poderá ser comparada a esta: “E fechou-se a porta.” Quanta implicação nessa frase! E, nesse caso ainda, a frase “não as conheço” soava muito mais definitiva, como se fosse uma fórmula decisiva de rejeição, forçando as moças a não insistir em nenhum “jeitinho” de entrar na festa de casamento.

Na vida espiritual, precisamos estar alerta. Não devemos jogar com a sorte, nem deixar para chegar em cima da hora, nem tampouco nos preparar no último momento.

Não é a aparência, nem são as lâmpadas ou os vestidos longos que vão separar as sábias das loucas: é o fato de estarem prontas, ainda que o noivo demore.

É por isso que cinco delas foram chamadas de loucas. Como as sábias, elas tiveram tudo à disposição: tempo, recursos e inteligência. Sabiam o que era prioritário, mas foram empurrando o mais importante para o fim, e o resultado é o que conhecemos. Pensavam que poderiam administrar suas prioridades; porém, veio o noivo, e descobriram que não dava para empurrar mais para frente o tempo, impedir que a porta fosse fechada. Não dava para puxar o ponteiro do relógio para trás. Elas descobriram que o tempo é inflexível, que não há “jeitinho”, que não adianta mencionar nomes, títulos, nada.

Na festa, estavam aqueles que não confiavam em si mesmos, por isso chegaram cedo, e com humildade estavam do lado de dentro.

A porta hoje está aberta. Há alguma coisa em seu caminho que esteja impedindo-o de chegar em tempo e entrar?


LIÇÕES DE HUMILDADE – 28 DE JUNHO 2018

“Ninguém tenha de si mesmo um conceito mais elevado do que deve ter” (Romanos 12:3).

Marian Anderson, grande contralto, mundialmente aclamada, era uma pessoa simples. Apesar de sua fama, permaneceu como exemplo de humildade para todos. Em uma entrevista, o repórter perguntou para ela qual foi o grande momento de sua vida. Ela poderia ter mencionado a noite em que o maestro Arturo Toscanini anunciou: “Uma voz como esta aparece uma vez em cada século.” Ela se tornou delegada da ONU, cantou para a rainha da Inglaterra e foi condecorada com a cobiçada Medalha Presidencial da Liberdade.

Qual desses momentos ela escolheu? Nenhum deles. Marian Anderson disse ao repórter que o maior momento da vida dela havia sido o dia em que chegou em casa e disse à sua mãe que ela não mais precisaria lavar roupa.

Faz parte da humildade saber sua importância pessoal e se manter no seu lugar. Faz parte também uma avaliação sincera de você mesmo e de suas capacidades. Não significa se vestir de saco e cinza com falsa modéstia. A humildade também não está ligada à fraqueza, como muitos pensam. Também não tem que ver com permitir que tirem vantagem de nós. Nem tampouco se tornar capacho na família, no trabalho e dos amigos, ou aceitar mansamente os revezes.

Humildade é uma palavra que quase desapareceu do nosso vocabulário e senso comum. Parece que foi distorcido aquilo que admitíamos ser um atributo desejável de caráter.

Como ter um conceito equilibrado de mim mesmo? Paulo tem a resposta: “Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus, que, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; e, sendo encontrado em forma humana humilhou-Se a Si mesmo” (Fp 2:5, 6, 8).

Quando você tem um conceito de si mesmo “mais elevado do que deve ter”, não pensa em coisas como pedir desculpas, admitir erros, mudar de rumo ou se submeter à orientação de outro.

Como demonstrar humildade? Apresentando-me a tempo para os compromissos e honrando promessas. Mantendo a atitude de um eterno aprendiz, mesmo diante das coisas que já sei. Escutando mais do que falando. Expressando gratidão a Deus por Ele Se relacionar comigo.

A versão de Phillips traduz o texto de hoje assim: “Não acalentem ideias exageradas sobre si mesmos ou acerca de sua própria importância, mas procurem fazer juízo correto de suas capacidades à luz da fé que Deus lhes deu” (Rm 12:3).


JOSÉ DO EGITO – 27 DE JUNHO 2018

“José ficou na prisão, mas o Senhor estava com ele” (Gênesis 39:20, 21).

Era o filho mimado do pai. E o ambiente de casa ficou mais tenso quando ele ganhou do pai uma túnica colorida, enquanto os irmãos continuavam a vestir suas calças desbotadas e camisetas que já tinham perdido a cor original. E Jacó, como pai dessa turma, demonstrava preferência por José numa atitude aberta de favoritismo.

Para José, era camisa de grife. Para os outros onze irmãos, camisetas compradas na 25 de Março. Como adolescente mimado e ingênuo que era, José exibia seu casaco nos lugares aonde ia, enquanto os irmãos continuavam com o velho guarda-roupa.

Quando os filhos chegavam de volta a casa, Jacó apenas lhes perguntava como estava o rebanho. Mas quando José chegava, ele o abraçava e perguntava pelos professores, pela escola, por seus amigos, etc.

Os dez irmãos foram até o pai e disseram: “Pai, o senhor é culpado desse clima tenso aqui em casa. O senhor ama a José, dá mais presentes a ele do que a nós. O senhor cavou um abismo entre nós.”

Um dia, José teve um sonho. Podia ter ficado quieto, sem contar nem mesmo para o pai, mas foi simplório. Reuniu o pai e os irmãos e disse: “Gente, tive um sonho.” Resumo do sonho: “Vou mandar e vocês vão obedecer. Que tal?” Se já não havia clima de harmonia entre os irmãos e José, aí é que o ambiente desandou.

Imagino os irmãos falando para José: “Quem você pensa que é? Conta essa história direito! Vamos nos curvar diante de você? Espere aí!”

Alguns dias depois, Jacó pediu a José que fosse ver onde seus irmãos estavam cuidando do rebanho. De longe, os irmãos o identificaram. Eles estavam naturalmente com as roupas de trabalho do dia a dia. E José, como estava vestido? Com a túnica colorida. Em lugar de dizerem: “Lá vem nosso mano”, disseram: “Lá vem o sonhador.”

Ao chegar, o cercaram e perguntaram: “E agora, sonhador, o que você acha que vamos fazer com você?” Sabemos o que aconteceu. Jogaram-no num poço e depois o venderam a um grupo de ismaelitas.

“Mas, na providência de Deus, mesmo esta experiência seria uma bênção para ele. Aprendeu em poucas horas o que de outra maneira anos não lhe poderiam ter ensinado. […] Ali mesmo se entregou então completamente ao Senhor, e orou para que o Guarda de Israel estivesse com ele na terra do exílio” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 213, 214).


O QUOCIENTE DA BONDADE – 26 DE JUNHO 2018

“Sede uns para com os outros benignos” (Efésios 4:3).

Centenas de profissionais acadêmicos reuniram-se para homenagear um homem que ganhara um Prêmio Nobel em Ciência. Durante as cerimônias preliminares, sua esposa esperava nos bastidores com as esposas de outros homens que também seriam homenageados. A esposa do ganhador do Prêmio Nobel não parecia muito animada. As outras mulheres quiseram saber o porquê.

“Como posso estar feliz tendo um marido como esse?” disse ela, e passou a descrever uma vida familiar patética. Imediatamente, as outras mulheres replicaram: “Ora, esta é exatamente a minha história.” Todas elas tinham a mesma experiência de negligência e abuso.

Enquanto os flashes das câmeras espocavam e dignatários faziam magníficos discursos, uma história bem diferente se desenrolava nos bastidores. Aquelas que eram íntimas dos homenageados conseguiam descrever apenas uma miséria comum a todas elas. Uma coisa é ser reto. Outra coisa é ser bondoso. É possível ter um alto QI, mas um baixo QB.

QB são as iniciais de quociente de bondade. Tem que ver com nossas relações interpessoais. O sucesso na vida não é o resultado apenas de sermos inteligentes, mas de como tratamos os outros. O fator bondade faz toda a diferença.

A bondade é um dos atraentes atributos de Deus. Ele é “clemente e misericordioso, tardio em irar-Se e grande em bondade” (Ne 9:17). O salmista declara com convicção: “Mui grande é a Sua misericórdia para conosco” (Sl 117:2). A bondade busca oportunidades para fazer bem aos outros. Ela se deleita em fazer os outros felizes. Bondade não é exigir; é dar. Pense como seria a atmosfera em nosso lar se todos fôssemos um pouco mais bondosos. Pense como seria o ambiente de trabalho se fôssemos um pouco mais bondosos. Pense como seriam nossas escolas, nossas igrejas e nossas comunidades se fôssemos um pouco mais bondosos.

Bondade produz bondade. As pessoas ao nosso redor refletem as atitudes que projetamos. Elas são como espelhos que reproduzem a nossa imagem. A garotinha estava muito certa quando, antes de dormir, orou: “Senhor, ajuda todas as pessoas más a serem boas, e todas as pessoas boas a serem bondosas.” Por que não pensar em alguém por quem você possa fazer um ato de bondade ainda hoje?


ELOGIOS FAZEM DIFERENÇA – 25 DE JUNHO 2018

“Como maçãs de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo” (Provérbios 25.11).

Uma jovem esposa chamada Sandra entrou abruptamente no escritório do pastor e começou a contar uma longa e dolorosa história sobre seu esposo. Ele a tratava com desprezo, explicou Sandra. Nada do que fazia o agradava. Todos os dias, ela temia o momento em que ele voltava do trabalho para casa.

Sandra era uma mulher jovem e bonita, mas o seu sentimento de rejeição a transformara em uma esposa derrotada, tensa e fria. Quanto mais sentia o desdém do marido, menos motivada para agradá-lo ela ficava. Sandra estava aprisionada em um círculo vicioso. O pastor decidiu que era melhor fazer uma visita a Joe, o marido de Sandra. O homem ficou atônito ao ouvir que ele era a causa da depressão da esposa. Ele não percebera o que estava acontecendo.

O pastor deu uma sugestão: “Escolha 10 qualidades positivas em sua esposa, e agradeça a Deus por elas. Agradeça a Deus duas vezes por dia, uma vez pela manhã, e outra, a caminho de casa, vindo do trabalho.”

Isto não parecia ser muito difícil, e Joe concordou. Ele começou a agradecer a Deus pelas coisas que gostava em Sandra. Não passou muito tempo, e ela começou a mudar diante dos olhos dele. Ficou mais alegre, mais positiva, mais afetuosa. Joe continuou sendo grato por ela, e Sandra cresceu em respeito próprio e motivação.

Palavras positivas produzem ações positivas. Palavras negativas produzem ações negativas. A afirmação põe para fora o que há de melhor em nós, enquanto a crítica põe o que há de pior para fora.

O sábio disse: “A ansiedade no coração do homem o abate, mas a boa palavra o alegra” (Pv 12:25). “A palavra, a seu tempo, quão boa é!” (Pv 15:23). Os elogios têm poder incomum de transformar toda a atmosfera do lar, da sala de aulas, ou do ambiente de trabalho. Jesus era mestre em dar elogios. As pessoas ficavam maravilhadas pelas “palavras de graça” que fluíam de Sua boca (Lc 4:22).

O que você tem a agradecer em sua esposa, em seu esposo? Em seu filho, em sua filha? Em seu irmão, em sua irmã? Em seus amigos, colegas de classe ou de trabalho? Diga para eles. Sem temor, elogie as pessoas ao seu redor, e observe o resultado.


UMA FORTUNA ETERNA – 24 DE JUNHO 2018

“Tu, ó Deus, bem conheces a minha estultice, e as minhas culpas não Te são ocultas” (Salmo 69:5).

Faz alguns anos, em uma das populosas cidades da Índia, um táxi em alta velocidade atropelou um menino de rua. Um oficial do governo que testemunhou o acidente levou o menino ferido para o hospital mais próximo, onde ele recuperou-se gradualmente.

Todos os dias, o oficial e sua esposa visitavam o seu jovem amigo, ficando bastante apegados a ele. Uma vez que ele não tinha família, decidiram adotá-lo. Ao ter alta do hospital, com muita alegria, eles trouxeram-no para sua mansão como se ele fosse um membro da família.

Todos os dias, a mãe trazia o seu filho para o hospital para que os curativos fossem trocados. Uma manhã, ela viu-se muito ocupada e perguntou ao menino se ele podia ir ao hospital sozinho. “Claro que sim”, ele respondeu orgulhosamente. “Conheço bem as ruas desta cidade.” A mãe deu-lhe 1,25 dólar para que pagasse o médico, e, com um sorriso e um beijo, despediu-se do menino.

O menino dirigiu-se para o hospital. Então, apenas dobrou a esquina, e uma tentação passou por sua mente. Ele parou, abriu a mão e olhou para as moedas reluzentes. Nunca antes ele tivera tanto dinheiro nas mãos. Por que teria que dá-lo para o médico?

Por um minuto ele ficou pensando. Então, tomou uma decisão. Apertando as moedas, o menino saiu correndo rua abaixo, e nunca mais foi visto. O pai que ele abandonou tinha uma riqueza considerável. Todos os seus filhos tinham feito alguma faculdade e, posteriormente, ocupariam altos cargos no governo ou em empresas privadas. Ele planejara dar ao seu novo filho todas as vantagens, e até mesmo fazê-lo um herdeiro da fortuna da família. Mas aquele garoto jogou tudo isso fora por 1,25 dólar.

Por vezes, nós também abrimos mão de muito por tão pouco. Ficamos agarrados às moedas da desobediência e fugimos pela rua dos prazeres sensuais. Deixamos uma fortuna eterna para trás por causa de uns poucos adornos terrestres. Escolhemos o terrenal em detrimento do celestial, o presente em detrimento do eterno. Enquanto isso, nosso Pai celestial, com coração partido, ainda almeja dar-nos muito mais. Somos herdeiros da fortuna da família. Nunca nos esqueçamos disto.


QUANDO DEUS INTERVÉM –  23 DE JUNHO 2018

“Pois Tu me tens sido refúgio e torre forte contra o inimigo” (Salmo 61:3).

Uma noite, uma jornalista de Los Angeles decidiu pegar um atalho para voltar para casa. Ela começou a subir uma ladeira mal iluminada. Não demorou muito e ela ouviu passos atrás dela movendo-se cada vez mais rápidos. De repente, um estranho a atacou e começou a estrangulá-la com o seu próprio cachecol.

Naquele mesmo instante, a quilômetros de distância, a mãe daquela mulher despertou de um sono profundo. Ela acordou com um grande medo de que algo terrível estivesse para acontecer com sua filha mais velha. Imediatamente, aquela mãe ajoelhou-se ao lado da cama e começou a orar. Por 15 minutos, ela conversou fervorosamente com Deus, buscando Sua proteção para a filha. Depois de estar certa de que sua oração fora atendida, ela voltou para a cama e dormiu de novo.

Voltemos àquela ladeira. De repente, o assaltante parou. A mulher viu aquele homem levantar a cabeça por um instante, como se escutasse algo. Então, ele fugiu ladeira abaixo. Essa mulher e sua mãe estão certas de que Deus revelou-Se um fiel ajudador por causa daquela oração. É importante compreender que aquela mãe devota não estava orando para um Deus distante. Ela estava familiarizada com Sua voz. Ela O conhecia o bastante para saber que Ele havia respondido. Ela O conhecia o bastante para confiar em Sua proteção. Quando aquela piedosa mulher ajoelhou-se ao lado da cama, aquele forte poder estava realmente muito perto.

Na batalha entre o bem e o mal, a oração é uma arma poderosa nas mãos do crente. Através da oração, as forças do inferno são derrotadas. Ellen White escreve que, em resposta à oração de fé, Deus fará aquilo que Ele não faria se não pedíssemos (ver O Grande Conflito, pág. 525).

Infelizmente, neste planeta em rebelião, coisas ruins também acontecem com pessoas boas. De maneiras que nós não compreendemos totalmente, Deus usa o pesar, o desastre e o sofrimento para trazer-nos para mais perto dEle. Ele usa até mesmo o mal, pelo qual não foi responsável, para conseguir Seus propósitos de longo prazo.

Difícil de entender? Certamente que sim! Mas, mesmo assim, devemos confiar nEle. Mesmo assim, devemos continuar orando. Ele nunca vai nos abandonar, e aquilo que ainda não entendemos, Ele mesmo explicará, um dia, na eternidade.


UM BOM COMEÇO NÃO É SUFICIENTE – 22 DE JUNHO 2018

“Então Salomão acordou e percebeu que tinha sido um sonho” (I Reis 3:15).

Numa corrida, um bom começo e uma boa largada são importantes, mas não são suficientes para um bom resultado final. Há muitas pessoas que começam dieta, exercícios diários ou um projeto para melhorar a casa. Com o tempo, a dieta fica irregular, o exercício perde a frequência e a melhoria da casa nunca termina. Um bom começo é importante, mas o prêmio é para aquele que cruza a linha de chegada.

Salomão começou seu reinado bem jovem e com o pé direito. Num sonho, Deus apareceu para ele e o desafiou a pedir qualquer coisa que quisesse. Ele pediu o dom do discernimento, um coração atencioso e responsivo e sabedoria.

Algumas pessoas são espertas e astutas. Outras são bem formadas e têm bom preparo acadêmico; mas sabedoria é diferente. Por mais que estudemos, não há livro que dê resposta para toda situação difícil que enfrentamos. É nessas horas que a sabedoria se faz necessária. É o que aconteceu com Salomão, no caso das duas mães que disputavam a maternidade de uma criança, quando não havia teste de DNA para comprovar de quem era o filho. Sua decisão não foi a de um repente gênio, mas a de uma pessoa objetiva, a mais adequada e no melhor momento.

Salomão, além de ser sábio, se tornou também muito rico. Era um grande colecionador e patrono das artes. Escreveu três mil provérbios e mil e cinco cânticos, e os livros de Eclesiastes, Cantares e Provérbios, este último um verdadeiro tratado de sabedoria.

Qual foi o erro de Salomão? Deixou de andar nos caminhos do Senhor. Por conveniência política, casou-se com centenas de mulheres estrangeiras que não adoravam a Deus, e construiu altares para os deuses delas – e adorava com elas.

Salomão não foi o primeiro nem será o último a nos ensinar que, mesmo que tenhamos tido um bom começo, não nos está assegurado um final feliz e com êxito. Temos que continuar bem até cruzar a linha de chegada.

No fim da vida, Salomão “desceu ao túmulo como homem arrependido; mas seu arrependimento e lágrimas não conseguiram apagar […] os estigmas de seu infeliz afastamento de Deus” (E. G. White, Vidas que Falam [MM 1971], p. 200).

O conselho que Davi deu para Salomão também serve para nós: “Obedeça ao que o Senhor, o seu Deus, exige: ande nos Seus caminhos e obedeça aos Seus decretos, aos Seus mandamentos […]; assim você prosperará em tudo o que fizer e por onde quer que for” (1Rs 2:3).


A SÍNDROME DE ELIAS – 21 DE JUNHO 2018

“Sou o único que sobrou, e agora também estão procurando matar-me” (I Reis 19:14).

Correr porque você está fazendo exercício é uma coisa. Correr quando você está com pressa é outra. Mas correr quando você está com medo é muito diferente. Com o restante da adrenalina que lhe tinha sobrado do Monte Carmelo, Elias pôs-se a correr para o mais longe possível, ao saber que a rainha Jezabel estava no seu encalço. Nessa maratona de fuga, correu tanto, até que se sentiu exausto, sem condições de dar um passo mais. No fim da corda. No fundo do poço.

Sentado ao pé de uma árvore, disse: “Senhor, chega. Não dá mais!” E continuou se lamentando: “Não sou melhor que os meus antepassados. Minha vida tem sido infrutífera. Se estou fazendo o melhor, por que as coisas não estão saindo como espero? Pensei que ia ter mais gente comigo. Na hora do ‘vamos ver’ só fiquei eu.”

Nessa situação, Deus foi ao encontro do profeta deprimido. Primeiro, Deus o atendeu fisicamente, fazendo-o dormir. Quando acordou, já tinha uma refeição pronta ao lado. Voltou a dormir. E depois veio a recomendação: “Alimente-se bem porque a caminhada vai ser longa.” E Deus disse: “Olha, não ficou só você, não! Há ainda outros 7 mil que foram fiéis como você.”

Quem ainda não passou por alguns dias de melancolia e depressão? Aqueles dias em que estamos sem pique, quando não nos importamos pelo que está anotado na agenda como urgente…

Podem ser fatos ocasionais ou uma sequência de coisas que levem a pessoa a se sentir deprimida. Ninguém deveria se sentir envergonhado por ser mencionado como alguém que está passando por depressão. Essas pessoas precisam ser escutadas e animadas. Às vezes, devem procurar um profissional, ou conversar com alguém em quem confiam, seja professor, pastor ou amigo.

Perguntaram a um grupo de jovens estudantes como eles enfrentam a depressão. Entre as fontes de ajuda, mencionaram: (a) estudo da Bíblia e oração; (b) conselho pastoral ou de um amigo; (c) orientação profissional.

Para aqueles que lutam contra a depressão, os três itens que esse mesmo grupo mencionou e que os ajudaram foram: (a) amigos; (b) escutar música; (c) receber conselho do pastor.

Se você está passando por um momento de desânimo, diga como o salmista: “Das profundezas clamo a Ti, Senhor; espero no Senhor com todo o meu ser, e na Sua palavra ponho a minha confiança” (Sl 130:1, 5).


TESOURO ESCONDIDO – 20 DE JUNHO 2018

“O reino dos Céus é como um tesouro escondido num campo” (Mateus 13:44).

Há alguns anos, o geólogo Dr. Williamson fez uma expedição à Tanzânia. Certo dia, ele se encontrou em uma área deserta e enveredou por uma estrada arenosa. De repente, sua caminhonete, de tração nas quatro rodas, parou numa área pantanosa, com lama até a altura dos eixos. Sem muito entusiasmo, o geólogo começou a remover a lama ao redor dos pneus. Enquanto cavava, a pá tocou numa pedra. Sendo geólogo, ficou curioso para ver que tipo de pedra era. Tomou a pequena pedra e começou a limpá-la da lama. Quanto mais limpava, mais empolgado ficava, não acreditando no que estava vendo. Quando a pedra finalmente ficou limpa, o Dr. Williamson não pôde conter a alegria. Tinha nas mãos um diamante! Qualquer diamante seria uma surpresa nessa situação, mas o Dr. Williamson encontrou o que se tornou conhecido como o Diamante Rosado da Tanzânia. Hoje esse diamante está engastado no cetro da rainha da Inglaterra.

Como no tempo de Jesus não havia bancos nem caixas-fortes, as pessoas enterravam seus pertences valiosos, porque temiam que, numa guerra, os inimigos se apoderassem deles. Mas o ponto dessa parábola do tesouro escondido é este: o homem encontrou alguma coisa tão valiosa que decidiu vender e se desfazer de tudo o que tinha para comprar o terreno onde encontrara o tesouro. Ficou tão empolgado que se dispôs a fazer qualquer coisa, como quando alguém quer comprar algo especial: uma bicicleta, uma moto, um computador, e está disposto a chegar ao ponto de se sacrificar. Também pode ser um carro, uma casa ou um objeto especial, pelo qual o comprador está disposto a cortar muitos extras para conseguir o que quer.

Jesus compara o evangelho ao tesouro escondido porque há imensa riqueza que ainda não descobrimos. “Temos estado a trabalhar, por assim dizer, próximos da superfície enquanto ricos veios de ouro estão mais embaixo, para recompensar aquele que cavar em sua procura” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 113).

O tesouro não tem nenhum valor se você não o abre, nem o utiliza. Podemos perguntar: “Que proveito tem para mim? Que diferença vai fazer?” Ou uma pergunta melhor: “Que diferença deveria trazer o tesouro do evangelho à minha vida?”


PERDOAR FAZ BEM À SAÚDE! – 19 DE JUNHO 2018                                                                                           

“Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros” (Colossenses 3:13).

Estudos mostram a relação entre o rancor, o perdão e a saúde física. Numa terapia de grupo sobre o perdão, a Dra. Charlotte Witvliet pediu aos participantes que pensassem em alguém que os havia prejudicado no passado. Ao começarem a pensar no que tinha acontecido, os participantes perceberam que a pressão sanguínea subiu, as batidas do coração se tornaram mais frequentes, houve suor nas mãos e tensão muscular na testa. Além da influência do rancor sobre a saúde, há também manifestações de indigestão ou irritação no estômago; dor de cabeça ou enxaqueca, cansaço e insônia.

Procure em um dicionário a definição de perdão e verá que uma delas descreve um sentimento que não gostaríamos de admitir: “Deixar de lado o ressentimento contra alguém ou pretender vingança.” Quem já não lutou para deixar de lado o rancor, a raiva e a amargura? Quem não fica remoendo a maldade de outras pessoas?

Mas o que você faz quando alguém se aproveita maldosamente de você ao fazer um negócio? Ou o difama inventando histórias a seu respeito? Ou quando um colega de trabalho o faz perder a função? As primeiras reações são de indignação e revide. “Ele vai me pagar!” “Tomara que caia nas mãos da justiça!” “Que receba um castigo de Deus!” Caso queira comprovar qualquer alteração de sua pressão sanguínea, faça a medição nesse momento e verá.

A atitude de não perdoar, com todo o seu peso de rancor, pode depois de algum tempo comprometer o funcionamento saudável do corpo, enquanto a disposição e o ato de perdoar podem curar não apenas a mente, mas o corpo.

Como posso me livrar do rancor e do ressentimento? Como posso deixar de lado a dor que me causaram? Tenho que perdoar realmente ou simplesmente ignorar?

Quando Jesus orou: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lc 23:34, ARA), Ele não estava dizendo que aquelas pessoas eram inocentes. Não! Ele simplesmente estava dizendo que não tinha nenhum ressentimento contra elas, que não tinha nenhum sentimento de amargura. Não guardava nenhum sentimento de vingança.

Perdoar: muito simples falar, mas difícil fazer. Nossa oração pode ser: “Senhor, coloca a paz de Jesus em meu coração. Aumenta cada vez mais meu sentimento de perdão a quem me feriu.”


ELE NOS LEVANTA DO PÓ – 18 DE JUNHO 2018

“Não quebrará o caniço rachado e não apagará o pavio fumegante” (Isaías 42:3).

Você conhece alguma coisa mais frágil e sem valor do que um caniço rachado? A imagem é de alguma coisa inútil, desprezível, a ser varrida para um canto, como aqueles objetos que já deram o que tinham para dar e não servem para mais nada.

A outra imagem é a de um pavio que fumega. Enquanto o pavio estivesse umedecido com azeite, havia luz clara e limpa, sem aquela fumaça sufocante e incômoda. De vez em quando, somos como esse pavio que fumega. Cansados, esgotados e esquecidos.

O fato é que o pecado nos atingiu e há somente duas maneiras de lidar com caniços rachados e pavios que fumegam: rejeitá-los ou tentar reafirmar seu valor pessoal, por meio da nossa amizade.

Dentro da visão messiânica, Isaías diz que Jesus não quebraria o caniço rachado – alguém agredido por palavras duras, pela fúria de outros; alguém desanimado pelo seu próprio fracasso ou porque seus direitos não foram reconhecidos.

Quantas pessoas esperam um ombro amigo, a mão que possa levantá-las, colocá-las de pé e sustentá-las por algum tempo. É um trabalho de restauração paciente, sem censuras, que preserva a dignidade de quem está sendo restaurado.

E o pavio que fumega, antes brilhante, depois débil, luta contra o vento que quer apagá-lo, mas espera um sopro de vida que possa fazer com que brilhe novamente. Acredite, você não está sozinho. Há alguém pronto para ajudá-lo a voltar a ter aquela firmeza e aquela luz viva. Alguém experimentado em restaurar.

Jesus está dizendo: “Venha, Eu vou colocá-lo de pé novamente. Venha, quero soprar vida em você para que sua luz volte a brilhar.” Ele está ao nosso lado quando nos sentimos isolados, sem força e feridos, quando lutamos contra o desânimo e a tentação.

Tudo o que temos que fazer é nos colocar nas mãos de quem está acostumado a restaurar. “Ele não colocará de lado o machucado e o ferido, e não menosprezará o pequeno e insignificante, mas os endireitará de maneira firme e permanente” (The Message).

Senhor, ajuda-nos a lembrar hoje que, para onde quer que formos, a certeza da Tua companhia nos trará nova paz ao enfrentarmos as batalhas da vida.


A MOEDA PERDIDA – 17 DE JUNHO 2018

“Alegrem-se comigo, pois encontrei minha moeda perdida” (Lucas 15:9).

As mulheres da Palestina recebiam tradicionalmente como presente de casamento uma coleção de dez moedas. Essas moedas eram levadas no pulso, usadas como colar ou pendentes ao redor na cabeça. Eram como se fosse hoje a aliança de casamento. Muitas as guardavam como sua posse mais preciosa para dar depois à filha mais velha, quando ela se casasse. Podemos então imaginar a grande perda que significava o desaparecimento de uma dessas moedas.

Em termos econômicos, o valor de compra de uma dracma equivalia ao salário de um dia. O valor dessa moeda, no entanto, era mais emocional – da mesma forma que guardamos uma lembrança simples de alguém a quem apreciamos. Quanto custa a fotografia dos filhos quando eram pequenos? Financeiramente, pouco; mas, em termos afetivos, muito.

Quando perdemos um objeto assim, viramos e reviramos tudo dentro de casa. Coisas, objetos inanimados de uma hora para outra adquirem valor incomum. Assim, encontrar a moeda tornou-se uma prioridade.

A moeda foi perdida não nas montanhas, nem em terra distante. O fato é que, por um aparente descuido e desatenção, alguma coisa valiosa acabou ficando perdida dentro de casa. Tanto a ovelha como a moeda foram achadas e falam da determinação de Deus em buscar o perdido. Deus está procurando, não porque tenha Se esquecido de onde estejamos. Ele sabe onde estamos. A ovelha e a moeda falam de Sua determinação em nos procurar.

Diante de Deus, as pessoas têm grande valor. Somos importantes para Ele. Assim, a parábola tem o objetivo de convidar a todos para que se regozijem com aqueles que foram achados. A transformação, mesmo que seja de uma só pessoa, traz alegria para Ele como também para aqueles que compartilham Seu amor.

A mulher da parábola fez três coisas: acendeu uma lâmpada para ver em que canto escuro estava a moeda. Depois varreu toda a casa. E, finalmente, pôs-se a procurar imediata e diligentemente.

É tempo de as moedas perdidas serem encontradas. Alguns dos nossos filhos que cresceram conosco, por decisão própria, se afastaram de Deus. A moeda perdida também “representa os que estão perdidos em delitos e pecados, mas não estão conscientes de sua condição” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 193). A oração é um canal de comunicação aberto que pode nos ajudar nessa busca.

A parábola termina com uma nota de regozijo: a moeda foi encontrada!


POBRES DE ESPÍRITO – 16 DE JUNHO 2018

“Bem-aventurados os pobres em espírito, pois deles é o reino dos Céus” (Mateus 5:3).

Pobres, famintos, lamentadores! Será que essa é a visão que os outros deveriam ter daqueles que querem pertencer ao reino de Deus? Será que Jesus disse isso logo no início do Seu sermão para indicar que os pobres são mais receptivos ao evangelho? Se a pobreza for passaporte para o Céu, só haverá lugar em pé!

Quando Jesus fala da atitude daqueles que são cidadãos do reino, Ele coloca a pobreza de espírito em primeiro lugar. John Stott diz que “logo no início do Seu sermão, Jesus contradisse todos os pontos de vista sobre as expectativas nacionalistas do reino de Deus. O reino é dado aos pobres, não aos ricos; aos débeis, não aos poderosos”. Essa declaração serviria para mostrar que o princípio dominante no reino de Deus não é o poder nem a riqueza, mas sim a graça divina. Ser pobre de espírito não é fazer parte do clube “ai de mim”, nem dos que se fazem de vítima. Não é falsa humildade.

Como as bem-aventuranças são características daqueles que são cidadãos deste reino, o primeiro requisito é sentir a necessidade de ajuda divina e reconhecer sua pobreza espiritual. “A intuição de necessidade, o reconhecimento de nossa pobreza e pecado, é a primeira condição para sermos aceitos por Deus” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 152).

O princípio dominante no mundo é outro: “Bem-aventurados os que são independentes.” A expressão “pobre de espírito” não se enquadra no mundo corporativo, onde as pessoas esbarram os ombros nos corredores das grandes empresas. Não se enquadra nas estrelas do esporte e do atletismo que querem ser as mais festejadas. Nem tampouco no pessoal afeito ao poder político, ou à procura de popularidade.

Falar hoje que alguém é pobre de espírito significa chamá-lo de “Zé Ninguém”. É uma referência feita a alguém sem iniciativa, que não sai da segunda marcha, e que sempre está perguntando o que é para fazer.

Quando se mencionava a pobreza nos tempos bíblicos, falava-se de pessoas que se igualavam ao status de mendigo hoje em dia. Um pobre não conseguia sobreviver sem a ajuda de alguém.

“Todos os que têm a intuição de sua profunda pobreza de alma e veem que em si mesmos nada possuem de bom, encontram justiça e força olhando a Jesus. […] Ele vos ordena que troqueis a vossa pobreza pelas riquezas de Sua graça” (Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 8, 9).


TRAGÉDIA OU TRIUNFO? – 15 DE JUNHO 2018

“Porque o Senhor estava com José e lhe concedia bom êxito em tudo o que realizava” (Gênesis 39:23).

Ali estava o filho mimado sem a túnica colorida, fazendo sua viagem, sob o sol escaldante rumo a uma terra que nunca tinha visto. José chegou ao Egito e, diante da perspectiva dos egípcios, no último degrau de importância da escala humana – como escravo.

Pense na trajetória dele desde o momento em que foi vendido para os ismaelitas. Depois foi vendido para Potifar e exposto à tentação sexual. Foi acusado de assédio pela esposa do chefe e teve a reputação destruída pela repercussão do caso. Foi punido pelo fato de ter feito o que era certo, encarcerado muito tempo e esquecido pelo colega prisioneiro a quem ajudou e que foi libertado. Porém, em todo o relato não vamos encontrar uma só queixa de José sobre os irmãos, as circunstâncias ou culpando a Deus de que o tivesse abandonado. “Por esta disciplina Deus o estava preparando para uma situação de grande responsabilidade, honra e utilidade, e ele estava pronto a aprender, acolhendo de boa vontade as lições que o Senhor lhe queria ensinar” (Ellen G. White, Filhos e Filhas de Deus [MD 2005], p. 320). Sua atitude foi sempre positiva. Para ele, o importante não era tanto o que estava acontecendo, mas sim como ele estava reagindo a tudo que estava acontecendo.

Pode parecer ironia, mas justamente Gênesis 39, onde se repete quatro vezes que “Deus estava com José”, é o capítulo que fala da acusação da esposa do chefe contra ele e de sua prisão. Felizmente, dois capítulos mais adiante, vemos como ele se tornou o governador mais importante, na época, porque era primeiro-ministro da nação que governava o mundo. “A assinalada prosperidade que acompanhava todas as coisas postas aos cuidados de José, não era resultado de um milagre direto; mas sim a sua operosidade, zelo e energia eram coroados pela bênção divina” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 214).

As palavras do hino de Josh Groban, com versão em português intitulada “O Seu Amor”, de Rafaela Pinho, encontrariam eco no coração de José, enquanto ele atravessava esse período difícil:

O Seu amor levou-me até as montanhas, / me fez voar, planando pelo mar. / Foi ali, no alto dos Seus ombros, / que eu aprendi: ‘Sou forte pra lutar.’”

Obrigado, Senhor, por transformares aparentes tragédias em triunfos.


O SALMO DO PASTOR II – 14 DE JUNHO 2018

“Em verdes pastagens me faz repousar e me conduz a águas tranquilas” (Salmo 23:2).

Não existe conjunto de palavras tão cheias de tranquilidade como estas: verdes pastagens e um lugar de águas tranquilas. O verdadeiro pastor se antecipa às necessidades das ovelhas. O pastor quer nos ver contentes, calmos e em descanso. Somente o pastor é que faz com que situações que de outra forma seriam torturantes e confusas terminem na direção certa.

“Em verdes pastagens me faz repousar.” Parece um imperativo de Deus ao ver nossa necessidade de intercalar atividade e períodos de descanso, e podemos visualizá-Lo falando: “Pare com essa corrida louca! Aonde você vai chegar?” Que tempo mais corrido o nosso! Levantamo-nos mais cedo, dormimos mais tarde, assim mesmo não temos tempo para fazer tudo o que queremos.

É quase como uma ordem de Deus falando para as ovelhas: “A caminhada foi longa e cansativa. Diminua o ritmo, cesse de correr sem o pastor.”

“Preparas um banquete para mim à vista dos meus inimigos” (v. 5). Não importa a que hora do dia, as refeições devem ser momentos de paz e de confraternização. Se acontecer de você comer com o coração cheio de ansiedade e preocupação, vai perder até o apetite.

E como seria tomar uma refeição tendo os inimigos derrotados presenciando o banquete? Parece estranho. Mas é isso o que os reis do Oriente Médio faziam com os inimigos derrotados. Obrigavam-nos a sentar acorrentados e olhar de longe o rei fazendo a festa, celebrando a vitória. Frutas frescas e suculentas. Salgados apetitosos. Sucos da melhor procedência – e os derrotados apenas olhando.

Para o encerramento da Escola Cristã de Férias, a professora pediu a cada uma das crianças que memorizasse o Salmo 23 para recitá-lo no dia da formatura. Roberto, um menino que tinha nascido prematuramente, tinha dificuldades para memorizar.

No dia da formatura, lá estavam as crianças alegres, com suas becas, indo à frente e recitando o Salmo 23. Roberto seria o último. Estava nervoso e não parava de roer as unhas e os botões da beca. Quando chegou sua vez, deu um salto da cadeira, agarrou o microfone, limpou a garganta e disse com entusiasmo: “O Senhor é o meu pastor…”, e depois de alguns segundos terminou: “Isso é tudo o que eu preciso saber.”

É verdade, Deus é o nosso pastor e isso é tudo o que precisamos saber!


O SALMO DO PASTOR I – 13 DE JUNHO 2018

“O Senhor é o meu pastor” (Salmo 23:1).

O que posso escrever sobre o Salmo 23 que você ainda não conheça? Você já leu e escutou tanto sobre ele que qualquer coisa que eu diga ou escreva fica dentro do previsível. Mas cada vez que o lemos, percebemos por que ele é um salmo tão apreciado, fonte de conforto para tantos.

Quando pronuncio estas palavras: “O Senhor é o meu Pastor”, estou fazendo minha declaração de dependência. Estou dizendo que preciso de ajuda, que Ele é mais forte do que eu e sabe o que é melhor para mim.

Dizer que Deus é o Pastor do Seu rebanho, ou de Sua igreja, é uma coisa. Mas dizer que Ele é o meu pastor, é bem diferente. É algo confortante e animador! Por isso, o que também torna esse salmo tão especial é perceber o quão pessoal ele é. Coloque-se em cada uma das frases. Diga para si mesmo: “de nada terei falta” (v. 1); “me faz repousar e me conduz a águas tranquilas” (v. 2); “restaura-me o vigor” (v. 3); “mesmo quando eu andar por um vale […] não temerei perigo algum, […] a Tua vara e o Teu cajado me protegem” (v. 4); “a bondade e a fidelidade me acompanharão” (v. 6).

Certo menino estava muito doente. Os pais sabiam que ele logo ia falecer, por isso pediram a visita do pastor. À noite, o pastor foi fazer a visita solicitada e os pais o deixaram a sós com o menino. Naquela mesma noite, o garoto faleceu.

O pastor voltou na manhã seguinte, chorou com os pais e os consolou. Então, mencionou o que tinha dito em sua conversa a sós com o menino, no quarto. Em linguagem infantil, procurou mostrar como se tornar um com Deus, usando a frase “O Senhor é meu pastor”.

Ele tomou a mão do menino, segurou-lhe o polegar e disse: “Este dedo significa ‘O’, Deus único.” Depois tomou o indicador e disse “Senhor”. Para o dedo médio, disse “é”, ou seja, “Deus está aqui”. A seguir, tomou o dedo anular e disse “meu”, representando o compromisso e a certeza pessoal de relacionamento com Deus. Finalmente, para o dedo mínimo, disse “Pastor”, que é aquele que cuida de nós, humilhou-Se e morreu por nós. Mesmo que o menino não falasse nada com o pastor, ele o estava escutando. Antes de morrer, pôs a mão ao redor do dedo anular, como que dizendo: “O Senhor é meu pastor.”


O AMOR ESPERA – 12 DE JUNHO 2018

“O amor não conhece limites para sua paciência, fim para sua confiança, nem enfraquecimento de sua esperança; ele é capaz de superar tudo” (I Coríntios 13:7, Phillips).

Quando Elizabeth Barret se tornou esposa de Robert Browning, seus pais desaprovaram o casamento e a deserdaram. Elizabeth escrevia para eles quase toda semana, dizendo como os amava e que aguardava a reconciliação. Esperou meses e anos pela resposta.

Depois de dez anos, ela recebeu pelo correio uma caixa grande, que continha todas as cartas que ela havia escrito. Nenhuma tinha sido aberta. Apesar de essas “cartas de amor” terem depois se tornado parte da literatura inglesa, é realmente triste pensar que elas nunca foram lidas pelos pais de Elizabeth. O relacionamento rompido com a filha poderia ter sido refeito se eles tivessem pelo menos olhado algumas delas. A espera não teve resultado positivo, mas nem por isso o amor desistiu.

No capítulo dedicado ao amor, no verso mais curto, o apóstolo Paulo diz que o amor “tudo espera” (1Co 13:7). Há esperança de que o inimigo se torne amigo. De que volte o esposo ou a esposa que abandonou a casa.

Mesmo os namorados, depois de terem levado um “fora”, ainda interpretam qualquer comportamento do ex como sinal de esperança de que o namoro pode ser refeito. Assim, um telefonema, um olhar intencional, um sorriso ao cruzarem no caminho, um encontro que não era para acontecer, mas aconteceu – tudo isso atua como sinal e desperta esperança: “Ainda tenho esperança de que ele/ela volte para mim.”

E se a espera não der resultado, numa expressão de consolo, dizem: “Ah, pode deixar, meu/minha próximo(a) namorado(a) terá o magnetismo e o carinho que esse/essa não teve.”

A esposa espera que o marido alcoólatra largue a bebida e se torne o pai que os filhos precisam. Mas é o amor que a faz esperar.

Quando o filho ou a filha se rebelam e rejeitam os valores e a tradição da família e abandonam o lar, não há outra saída senão esperar.

O filho pródigo ainda é filho. Não interessa por quanto tempo tenha saído de casa, se foram dias, semanas, meses, quem sabe até anos, o pai continua esperando porque ama.

Deus é o campeão no quesito espera. O coração dEle é marcado pelo desejo de ver todos incluídos no Seu círculo de amor.


O PRINCÍPIO DA BANANA – 11 DE JUNHO 2018

“Sabeis estas coisas, meus amados irmãos. Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar” (Tiago 1:19).

Certa vez, uma mulher me contou como descobriu o “princípio da banana” com sua filha adolescente. Fiquei pensando: O que será esse “princípio da banana”? Ela explicou. Percebera que a filha sempre se traía quando tinham alguma discussão. A garota simplesmente não expressava o que de fato sentia.

Um dia, ela pegou uma banana, sentou-se ao lado da filha e lhe fez uma pergunta. Enquanto a moça respondia, a mãe descascou a banana e lhe deu uma mordida. Depois de mastigar aquele pedaço, fez outra pergunta, deu uma nova mordida, e assim sucessivamente. Então notou que a filha conversava mais à vontade. O que acontecera? Enquanto a garota respondida à pergunta, a mãe não podia fazer qualquer comentário; apenas mastigava e ouvia. Este é o “princípio da banana”: disposição para ouvir. Pergunte, e depois, ouça.

Jesus era Mestre em fazer perguntas e ouvir pacientemente. Ele Se concentrava nos outros. Muitas pessoas centralizam-se em si mesmas. Para elas, ouvir é apenas uma pausa. Mal podem esperar que o interlocutor pare de falar, para que digam o que pensam. Estão mais interessadas em expor suas ideias do que ouvir as dos outros.

Mas, se uma pessoa fala sozinha, nunca pode saber o que vai na mente de outra. A essência do cristianismo é o interesse por outros. O amor permite liberdade de expressão dos pensamentos e sentimentos mais íntimos. Amar uma pessoa é importar-se genuinamente com ela. João escreveu: “Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus” (1Jo 4:7).

Você não pode me amar se não me conhecer. E não pode me conhecer se não ouvir meu coração. Portanto, pegue uma banana, Descasque-a, faça uma pergunta e morda a banana. Depois, ouça com o ouvido e o coração.


ABRE MEUS OLHOS – 10 DE JUNHO 2018

“O Senhor abre os olhos aos cegos” (Salmo 146:8).

Uma noite, no ano de 1849, J. Hudson Taylor, um adolescente inglês, ajoelhou-se ao lado de sua cama e orou por mais profunda consagração a Deus. Antes de levantar-se, Hudson ouviu o chamado divino e decidiu: iria para China, por amor a Cristo.

A partir desse dia, Hudson Taylor comprometeu-se com sua missão. Agências missionárias tentaram desanimá-lo. Sua saúde não era muito boa, não tinha educação religiosa formal, nem tinha dinheiro suficiente para pagar o curso de medicina. Mas o maior obstáculo era a indiferença das pessoas com relação à China. As necessidades de milhões de chineses eram um ponto cego para a maioria dos cristãos. A China era algo remoto e intangível, não para Hudson Taylor.

Depois de muita insistência, uma agência o enviou para a terra dos seus sonhos. Taylor estabeleceu a Missão do Interior da China, trabalhando em áreas onde nenhum estrangeiro jamais estivera. Foi dele a primeira missão interdenominacional que abriu caminho para o evangelismo mundial, no século 19.

Hudson Taylor desempenhou um importante papel na origem do movimento missionário moderno. Ele abriu muitos olhos que estavam cegos às necessidades de milhões de pessoas que viviam e morriam sem Cristo. O segredo de sua visão missionária é que, ainda jovem, aprendeu a dar respostas para Deus. E assim sua consciência tornou-se sensível.

Quando Deus o impressionou a dar sua última moeda de meia-coroa para uma família necessitada, ele a deu. Quando Deus sugeriu que ele falasse sobre Cristo para um colega cínico, Hudson falou. Ele sentia mais de perto e via mais claramente do que seus contemporâneos, porque deixava que Deus o iluminasse passo a passo.

Existe alguma coisa que não deixa você ouvir a voz de Deus? Sugiro que faça esta oração: “Senhor, abre meus olhos para que eu veja meu pecado e a Tua graça purificadora. Ajuda-me a ver os pontos cegos ou os meus defeitos de caráter. Dá-me um coração disposto a entregar tudo a Ti. Em nome de Jesus, amém.”


DESÇA DO PEDESTAL – 09 DE JUNHO 2018

“Eu sou a luz do mundo” (João 8:12).

Ao longo da História, muitos têm distorcido o caráter de Deus em nome do cristianismo. Um camponês egípcio foi considerado santo por viver quase 90 anos sozinho no deserto. Simon Stylites levou a negação do corpo às últimas consequências. Viver só no deserto não foi o suficiente. Ele construiu uma plataforma a 20 metros de altura, e ali viveu por 37 anos, vestindo peles de animais. Um ermitão chamado Makarios de Alexandria também tornou-se uma lenda. Durante um jejum, permaneceu em um canto de sua cela sem falar ou mover-se por 40 dias.

A ideia de que um cristão não deve ter contato com o mundo, para não ser contaminado pelo mal, é uma perversão; uma compreensão errônea da missão de Cristo. Afinal, Ele mesmo veio até o fosso de serpentes deste mundo para nos salvar do veneno do seu pecado. E pediu ao Pai: “Não peço que os tire do mundo, e sim que os guardes do mal” (Jo 17:15).

Alguém disse que os cristãos são como um barco. Não há problema se o barco estiver na água, desde que não haja água dentro do barco. Não há problema estar no mundo enquanto o mundo estiver fora do cristão. A vontade de Deus é que os cristãos transformem o mundo. Temos que ser como a “luz” e o “sal”, causando impacto ao nosso redor.

Deus nos chama para iluminar a escuridão, para dar um sabor positivo ao nosso ambiente. Ele nos chama para ser moldadores do mundo, e não para ser moldados pelo mundo. Cheio do Espírito de Cristo, motivado por Seu amor, vá até o seu mundo e faça a diferença. Não fique encarapitado em seu pedestal de beatice, como Simon Stylites, vendo o mundo marchar para o lago de fogo. Desça e envolva-se com as pessoas. Fale do amor de Cristo e observe como Deus pode operar milagrosamente em favor delas.


REMIDOS PELO SANGUE – 08 DE JUNHO 2018

“E da parte de Jesus Cristo, a Fiel Testemunha, o Primogênito dos mortos e o Soberano dos reis da Terra. Aquele que nos ama, e, pelo Seu sangue, nos libertou dos nossos pecados” (Apocalipse 1:5).

Ainda no alvorecer, Eliud caminha pelo acampamento de Israel levando um pequenino cordeiro branco. Dirige-se ao tabernáculo, onde vai degolar o animalzinho. Carrega também uma nódoa em sua memória, um pecado que lhe carcome os ossos. Ele tem que endireitar aquilo. À entrada do pátio externo do tabernáculo, Eliud espera com outros que também levam ofertas pelo pecado. Vê o sacerdote realizar o antigo ritual. Agora, chega sua vez.

Ajoelha-se junto ao cordeiro e coloca uma mão em torno do seu pescoço. O sacerdote se aproxima, Eliud coloca outra mão na cabeça do animal e confessa seu pecado, tentando não olhar nos olhos do cordeiro, cujo pescoço é atingido pelo golpe de uma faca. O sangue jorra sobre o chão. O cordeiro agita as patas apenas uma vez, e cai, inerte. Assistentes do sacerdote levam a carcaça até o grande altar. Escoam o sangue por uma vala na base do altar e, então, colocam o animal morto para ser consumido pelo fogo.

O sacrifício desse animal aponta para o perdão divino. A graça é tão real para Eliud como o sangue que ainda lhe mancha as mãos. A graça de Deus é gratuita, mas o pecado tem um custo: a morte do próprio Filho de Deus. Cada sacrifício do Antigo Testamento prefigurava a morte de Cristo. Sem a morte do cordeiro não havia perdão.

Mas nem o sangue de um milhão de animais poderia expiar nosso pecado. Somente o sangue do eterno sacrifício pode fazê-lo. A Bíblia diz que “o salário do pecado é a morte” (Rm 6:23). E para lembrar o Seu povo da natureza horrenda e mortífera do pecado, Deus o instruiu a oferecer sacrifícios. “Sem derramamento de sangue, não há remissão” (Hb 9:22).

Como Eliud, podemos nos dirigir, não ao antigo santuário, mas à cruz. E aí, ao confessarmos nossos pecados, nossa culpa é transferida para o imaculado Cordeiro de Deus. Somos redimidos e nos tornamos livres!


ASSUMA A RESPONSABILIDADE – 07 DE JUNHO 2018

“Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo” (II Coríntios 5:10).

Em seus quatro anos, Billy já era o terror do jardim de infância da sua igreja. Empurrava e derrubava as outras crianças, dava-lhes pontapés, e geralmente deixava tudo desarrumado. Um dia, a professora lhe propôs: “Billy, você gostaria de fazer a oração?” O pequeno briguento fez uma oração muito simples: “Jesus, por favor ajude essas crianças a não caírem tanto.”

Que pedido! Em uma só frase, ele se eximiu da responsabilidade pelas quedas e pelos ferimentos das outras crianças.

Mudança e responsabilidade andam juntas. Não podemos ter nenhuma mudança de comportamento a menos que assumamos a responsabilidade por nossas ações. Se somos simplesmente vítimas do nosso ambiente, o ambiente torna-se o responsável, não nós. Se somos apenas o produto do que os outros fizeram conosco, então eles são os responsáveis.

Assumir a responsabilidade por nossos atos é o primeiro passo que damos em direção às transformações em nossa vida. A menos que sejamos os donos das nossas ações, sempre teremos desculpas para nossa conduta. Deus nos deu livre-arbítrio, Seu Espírito nos impressiona a fazer o que é correto e nos capacita para isso. A conscientização de que somos moralmente responsáveis por nossos atos, a confissão dos pecados e a decisão de mudar permitem que recebamos o perdão e o poder de Deus. A graça de Deus nos salva da culpa e das garras do pecado.dec

O ambiente influencia nosso comportamento. Nossas escolhas o determinam. Ninguém escolhe por nós. Deus nos deu a capacidade de fazer nossas próprias escolhas morais.

Não seremos julgados com base na decisão de outros. Seremos julgados por nossas próprias decisões. O apelo de Moisés para Israel, milênios atrás, ainda hoje fala ao nosso coração: “Os Céus e a Terra tomo, hoje, por testemunhas contra ti, que te propus a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência” (Dt 30:19).

A escolha é nossa. Sua voz ainda nos fala, hoje. Escolha a vida.


TRANSFORMADOS – 06 DE JUNHO 2018

“Portanto, assim como vocês receberam Cristo Jesus, o Senhor, continuem a viver nEle” (Colossenses 2:6)

Como entramos na vida cristã e como vamos continuar sendo cristãos? Entramos na vida cristã entregando a vida a Cristo, abrindo o coração para fazer aquilo que nos tornará cada vez mais semelhantes a Ele. Alguns esperam a perfeição e mudança imediata em tudo. Esperam atingir rapidamente um grau de maturidade cristã. Querem ser capazes de dizer: “Vejam como mudei! Como em poucas semanas já demonstro que sou um cristão maduro.” São aqueles que gostam de dar batidinhas nas próprias costas dizendo: “Menino bom, hein! Eu sabia que você ia conseguir!”

Alguns confiam em seus esforços, tentam abandonar um mau hábito, ser mais disciplinados, mas depois de algum tempo desistem.

John Ortberg menciona que a transformação espiritual só vai acontecer com um poder especial fora de nós. E a compara com a travessia do oceano. Alguns tentam dia após dia ser bons e se tornar espiritualmente maduros. É como tentar atravessar o oceano num barco a remo. É cansativo e sem resultado. Outros desistiram de se esforçar confiando somente na graça de Deus. São como náufragos à deriva num barco de borracha. Não fazem nada, senão aguardar que Deus venha socorrê-los e os tire dali. Remar ou ficar à deriva – nada disso vai trazer qualquer transformação espiritual. A melhor imagem que temos é a de um barco à vela que se move graças ao vento. Não podemos controlar o vento, mas um bom navegador discerne a direção do vento e ajusta as velas. Precisamos apenas saber em que direção queremos ir, ajustar as velas e aproveitar a brisa que Deus manda.

Cada vez que abro a Bíblia e permito que Ele fale a mim, cada vez que oro e conto minhas necessidades, estou abrindo as velas do meu barco para o sopro do Espírito Santo. Cada vez que levo alegria a alguém ou torno o fardo da outra pessoa mais leve, isso é também uma demonstração de que estou sendo impulsionado pelo Espírito.

Você está perdendo alguma batalha no seu dia a dia? Não atingiu aquela altura espiritual que desejava? Caiu justamente no erro que não queria cometer mais? Está cansado de tentar e não conseguir? O vento do Espírito está pronto para empurrar seu barco.

“O vento sopra onde quer. Você o escuta, mas não pode dizer de onde vem nem para onde vai. Assim acontece com todos os nascidos do Espírito” (Jo 3:8).


NO PRINCÍPIO – 05 DE JUNHO 2018

“No princípio Deus criou os céus e a Terra” (Gênesis 1:1).

Nenhuma introdução seria mais apropriada para as Sagradas Escrituras do que esta: “No princípio Deus criou os céus e a Terra” (Gn 1:1). E ao mesmo tempo não existe verso mais discutido da Bíblia e que tenha levantado mais controvérsias, separando teólogos, eruditos e cientistas. Em hebraico, são sete palavras que trazem a ideia de absoluta inteireza na primeira frase da Bíblia.

O verso nos leva bem ao começo de tudo. Antes da vida humana, dos planetas, do céu, da terra. Através das Escrituras, a criação é celebrada como vindo das mãos de Deus. Note que a atenção é chamada para o Criador, não para a criação.

Eugene Peterson, na introdução do livro de Gênesis em sua paráfrase da Bíblia The Message, diz: “Primeiro Deus. Deus é o fundamento da vida. Se não tivermos um sentido de primazia de Deus, nunca vamos fazer nada certo. Não Deus na margem; não Deus como uma opção; não Deus nos fins de semana. Deus no centro da circunferência; Deus primeiro e último; Deus, Deus, Deus.”

Veja estas verdades importantes que aprendemos de Gênesis 1:1:

1. A criação teve um começo. Desde quando o Universo existe? Isso continua sendo um mistério. “Ele é antes de todas as coisas, e nEle tudo subsiste” (Cl 1:17).

2. As Escrituras pressupõem Deus como Criador do Universo e de tudo o que existe.

3. Deus não dependeu de matéria pré-existente para criar o Universo. “Aquilo que se vê não foi feito do que é visível” (Hb 11:3).

4. Deus é o único Criador de tudo o que existe. Nada de ficção, de que a vida surgiu espontaneamente por processos evolutivos; a Bíblia fala de um Deus pessoal que criou todas as coisas com um propósito.

5. Nossa existência e a deste mundo têm um propósito. Esse primeiro verso das Escrituras responde a três perguntas importantes: “De onde vim?” (pergunta solene sobre a origem). Dependendo da resposta que dermos a essa primeira pergunta, vamos encontrar resposta a outras duas: “Para onde vou?” (pergunta sobre o futuro), e “Para que vivo?” (pergunta sobre o sentido da vida).

Amigo ouvinte, “cada manhã nos despertamos para alguma coisa que em toda a eternidade nunca foi antes e nunca será depois. E você que desperta nunca foi o mesmo antes nem será também o mesmo depois”, como se fosse tudo uma nova criação.

Que bom saber que Deus é o nosso Criador!


ARREPENDIDO? – 04 DE JUNHO 2018

“Deem fruto que mostre o arrependimento” (Mateus 3:8).

O verdadeiro arrependimento produzirá mudança de atitudes, palavras e comportamento. Porém, inclui mais do que isso. Não significa simplesmente pedir desculpas e prometer nunca mais cometer o mesmo erro. Não significa punir a si mesmo, deixar de comer ou deixar de comprar algumas coisas. O verdadeiro arrependimento tem facetas que servem para medir até onde ele é verdadeiro.

Ao se encontrar com Jesus, você perceberá que deixou alguns rastros não luminosos pelo caminho. Precisará de humildade e honestidade para acertar algumas coisas, para restaurar um relacionamento rompido por causa de uma provocação, do que falou numa explosão de raiva ou de uma mentira.

Quando duas pessoas se encontram arrependidas com o objetivo de restaurar o relacionamento, estão ambas no território da graça. Ficam de fora as racionalizações que tentam explicar o porquê do erro cometido: “Fiz isso porque”, “Mas”, “Minha intenção era outra”… Quando você tenta explicar, passa a ideia de que quer encolher o máximo possível seu erro. É melhor encarar esse momento com humildade e reconhecer como o filho pródigo que errou: “Pequei contra o Céu e contra ti” (Lc 15:18).

Diga simplesmente: “Sei que você ficou ferido com o que falei. O erro foi meu. Perdoe-me.” Deus vai preparar suas palavras e o coração da pessoa com quem você vai falar para que a restauração seja efetivada. Se não der para falar pessoalmente, telefone ou use o correio eletrônico para não deixar a reconciliação para depois.

A outra faceta é a que chamamos de restituição. É a reposição pelo prejuízo material causado à outra pessoa; dívidas reconhecidas, mas não pagas, etc. O exemplo bíblico mais patente é o de Zaqueu. Imediatamente após seu encontro com Jesus, ele disse: “Vou devolver a quem cobrei mais do que devia, de quem tirei proveito me valendo da ignorância das pessoas.”

É o que diz o pensamento: “O reconhecimento da dívida sem esforço para pagá-la não é arrependimento.” Desse ponto de vista, o arrependimento não é fácil.

Você pode orar hoje a Deus, dizendo: “Senhor, no centro do meu pecado está o desejo de seguir meu próprio caminho. Escolho hoje sair do meu caminho para o Teu caminho. De meus planos para Teus propósitos, de minha independência para a Tua soberania. Ao voltar para Ti, espero na Tua graça e na Tua misericórdia.


UM CORAÇÃO SEDENTO – 03 DE JUNHO 2018

“Que as palavras da minha boca e a meditação do meu coração sejam agradáveis a Ti, Senhor, minha Rocha e meu Resgatador!” (Salmo 19:14).

O autor Mortimer Adler diz que, quando lemos uma carta de amor, “lemos cada palavra três vezes; lemos nas entrelinhas, pesamos cada frase, percebemos a cor de cada palavra e procuramos um significado até mesmo na pontuação”. É por isso que depois de algum tempo os namorados já sabem a carta de memória. O importante não é a carta em si, mas quem a escreveu. É isso que dá significado à carta. É aquela carta que você abre primeiro, vai ler com interesse e a separa de todas as outras.

Que lugar a Bíblia ocupa em nossas afeições e em nosso tempo? Quando você lê a Bíblia, abre o coração para o que Deus está revelando? Como a vida devocional se enquadra em sua agenda? Encontrar tempo para um momento devocional com qualidade é, hoje, grande desafio para todos, e muitas vezes nos sentimos frustrados por não dedicar a quantidade ou a qualidade de tempo necessário para isso. Você precisa tornar esse momento uma “ilha” no meio de tudo o que está fazendo e pedir que Deus lhe fale ao coração. Esse momento requer mais do que apenas desligar o celular e fechar a porta do escritório ou do quarto.

Parar e se sentar é um grande desafio. Não é um momento de inatividade. É um momento para ampliar sua sensibilidade espiritual e restaurar a alma. Necessitamos procurar a Deus com interesse; aproximar-nos dEle com fome e sede. Peça-Lhe ouvidos para ouvir e percepção para sentir a maneira pela qual Ele está tentando Se comunicar com você.

A quietude é muito importante para perceber com mais nitidez a voz de Deus. Deus não escolheu Se revelar a Elias no vento forte, no terremoto nem no fogo. A agitação pela qual o profeta estava passando pedia apenas uma voz mansa e suave. Deus falou a Elias por meio do sussurro.

A voz de Deus se torna mais clara num ambiente calmo e numa atmosfera de silêncio. Para ouvir um sussurro ou uma voz mansa e suave você não pode estar de um lado da sala e a outra pessoa no lado oposto. Tem que haver proximidade.

“Quando as Tuas palavras foram encontradas, eu as comi; elas são a minha alegria e o meu júbilo, pois pertenço a Ti” (Jr 15:16).


ADOTADA PELA ESPERANÇA –  02 DE JUNHO 2018

“Por um ato de fé, Raabe, a prostituta de Jericó, deu as boas-vindas aos espias, e escapou da destruição que veio sobre aqueles que se recusaram a confiar em Deus” (Hebreus 11:31, The Message).

Há pessoas que atraem para si um cognome ou epíteto que as acompanha até mesmo depois da morte: Ivan, o terrível; Ricardo, coração de leão; Átila, o flagelo de Deus; e outros.

Foi mais ou menos o que aconteceu com Raabe. Ela era cananita. Fora criada num ambiente pagão. Era uma namoradeira. Uma “dama da noite”. Por que o escritor de Hebreus foi tão rude não omitindo esse detalhe ao falar de Raabe, dizendo que fora prostituta? Se ela fosse apresentada hoje dessa maneira em qualquer igreja, a irmandade de “gosto mais refinado” não aprovaria a participação dela entre os membros.

No passado, é verdade, ela havia sido prostituta, mas passou a fazer parte do povo de Deus. De seus herdeiros vieram reis e também o próprio Jesus. Paulo diz que ela não era sacerdotisa, nem era de linhagem real. Como uma “dama da noite”, dificilmente esperaríamos que fosse usada por Deus. Ao apresentar Raabe dessa maneira, Deus estava querendo dizer: “Vejam, que surpresa! Olhem só como a graça é maravilhosa! Vejam como Deus olha as pessoas de maneira diferente de vocês. Que mudança a graça pode realizar na vida de uma pessoa!”

No caso de Raabe, Deus levou em conta a fé dela, não sua “profissão”. Deus foi ao encontro de uma jovem que disse: “Eu quero mudar.”

Dificilmente imaginaríamos que Deus pudesse incluir uma prostituta em Seus planos. Foi essa atuação de Deus que levou Paulo a afirmar: “Mas Deus escolheu o que para o mundo é loucura para envergonhar os sábios, e escolheu o que para o mundo é fraqueza para envergonhar o que é forte. Ele escolheu o que para o mundo é insignificante, desprezado e o que nada é, para reduzir a nada o que é, a fim de que ninguém se vanglorie diante dele. É, porém, por iniciativa dEle que vocês estão em Cristo Jesus” (1Co 1:27-30).

Deus é soberano. Ele escolhe quem quer. Raabe é uma dessas surpresas. Ela mesma disse aos espias: “Pois o Senhor, o seu Deus, é Deus em cima nos céus e embaixo na Terra” (Js 2:11).


SINAL DE DEUS? – 01 DE JUNHO 2018

“Pois bem. Vou pôr um pouco de lã no lugar onde malhamos o trigo. Se de manhã o orvalho tiver molhado somente a lã, e o chão em volta dela estiver seco, então poderei ficar certo de que Tu realmente me usarás para libertar Israel” (Juízes 6:37, NTLH).

Há muitos que tomam este episódio do Antigo Testamento como se fosse uma norma para tomar decisões em determinadas situações. O caso de Gideão não foi mencionado na Bíblia com a finalidade de se tornar numa fórmula espiritual.

Quem sabe você também já tenha usado sua “porção de lã” diante de uma situação em que queria ter a segurança de que aquela era a vontade de Deus. Pode ter pensado que uma maneira segura e rápida de tomar uma decisão seria pedir um sinal de Deus.

Alguns são muitos criativos: “Senhor, se quando eu estiver indo para a cidade cruzar com uma caminhonete amarela, isso será sinal de que devo aceitar esse emprego e não o outro.” “Se eu encontrar um lugar para estacionar, é sinal de que Tu queres que eu curse biologia e não fisioterapia.” “Se a estrela piscar uma vez, devo dizer ‘sim’; se piscar duas, digo ‘não’; e se piscar três, é ‘ainda não’.” “Senhor, que ele telefone… que ela envie um e-mail.” Ou diante da decisão de terminar o namoro, dizemos: “Vou escrever ‘sim’ e ‘não’ em dois pedacinhos de papel. O que sair, é o que vou fazer.” Quando o papel está de acordo com o que pensamos, nos apressamos em executar o “plano”. Que bom! Era isso mesmo! Mas quando o papel desafia nossa preferência, levando-nos à decisão que temíamos, colocamos em dúvida o que fizemos. “Será que eu realmente orei com fé? Acho que deveria orar de novo.” E completamos: “Senhor, agora é pra valer.”

Outro motivo pelo qual somos inclinados a pedir um sinal de Deus é a necessidade de fugir às consequências de nossa decisão. Ao pedir um sinal, se as coisas não derem certo, e as consequências forem as que temo, poderei jogar a culpa no processo, não em mim mesmo.

Deus nos deu um cérebro dotado de capacidade de pensar, avaliar e pesar as decisões. Mas quantas vezes, com preguiça de pensar, seguimos um atalho. Queremos colocar Deus dentro de nossos limites e manipular os eventos a nosso favor, conforme nossa vontade.

Hoje, também, mudar de emprego, mudar de curso, escolher o(a) companheiro(a) para toda a vida, são decisões que requerem discernimento, sabedoria e boa dose de entrega. Peçamos a Deus que nos faça submissos e humildes para aceitar Seus planos para nossa vida.


JUNHO 2018


ABRIGO E REFÚGIO – 31 DE MAIO 2018

“E será um abrigo e sombra para o calor do dia, refúgio e esconderijo contra a tempestade e a chuva” (Isaías 4:6).

Sombra, abrigo, refúgio, esconderijo. São lugares para aqueles que se sentem cansados, com medo e/ou perseguidos pelo inimigo. São lugares de confiança, de proteção, para trazer paz, refazer as forças e apagar o medo.

Sombra para o calor do dia. Quem já enfrentou uma longa caminhada, sob o sol quente, com vegetação escassa ou no cerrado, na época da seca, conhece o valor da sombra. E como é bom quando no caminho aparece uma árvore para fornecer uns minutos de sombra e descanso, a fim de refazermos as forças para prosseguir.

A “sombra” no seu dia de trabalho pode ser aquele colega que se detém para cumprimentá-lo; pode estar na voz e no jeito de a esposa falar ou sugerir, ou mesmo escutar; pode ser alguém que se oferece para ajudá-lo num projeto, quando sabe que seu tempo está escasso. Precisamos de uma “sombra” quando temos mais trabalho sobre a mesa do que o tempo nos permite realizar. Quando nossas responsabilidades aparecem como um redemoinho de compromissos e prazos finais. Precisamos da “sombra” do Onipotente para descansar e nos refazer.

O verso de hoje também fala de refúgio e abrigo contra a tempestade. Quando a chuva vem mais rápido e mais forte do que se espera, temos que correr e procurar refúgio. Quantas campais de desbravadores não sofreram com a chuva… Painéis e cenários desfeitos, colchões e cobertores ensopados de água e transtorno na programação. Aí tínhamos que procurar abrigo e refúgio em galpões, ginásios, salões e escolas. Pelo menos, ficávamos abrigados.

Gosto muito desta oração: “Confio hoje no poder de Deus para me guiar. Na força de Deus para me sustentar. Na soberania de Deus para me ensinar. No olhar de Deus para velar. No ouvido de Deus para me ouvir. Na palavra de Deus para me falar. Na mão de Deus para me proteger. No escudo de Deus para me proteger. Nas hostes de Deus para me defender. Cristo comigo, Cristo adiante de mim, Cristo na minha retaguarda, Cristo dentro de mim, Cristo sobre mim. Cristo à minha direita, Cristo à minha esquerda. Cristo na largura, Cristo na extensão. Cristo na altura, Cristo no coração de cada homem que se lembra de mim…”

É bom saber e lembrar que Deus cuida de nós e é escudo, abrigo e refúgio em qualquer momento.


VOLTE SEM MEDO – 30 DE MAIO 2018

“Não tenha medo”, disse-lhe Davi, “pois é certo que eu o tratarei com bondade por causa de minha amizade com Jônatas, seu pai” (II Samuel 9:7).

A história dele é uma das mais bonitas da Bíblia. Está entremeada de incidentes nos quais se manifesta a graça de Deus. Ele esperava crescer para viver como príncipe, mas no dia em que seu pai, Jônatas, e seu avô, Saul, foram mortos numa guerra, na fuga apressada do palácio, uma queda o deixou aleijado para o resto da vida. Nessa ocasião, ele devia ter entre quatro e cinco anos. Seu nome era Mefibosete.

Ele tentou se esconder de Davi e se refugiou na cidade de Lodebar. Daí para a frente, sempre se via como alguém defeituoso, aleijado, inútil. Ou, conforme suas próprias palavras, como “um cão morto” (v. 8).

À medida que crescia, escutava os outros lhe dizerem: “Você é que devia estar sentado lá no trono. Cuidado! Davi é seu inimigo. Ele vai enviar seus soldados para prendê-lo e levá-lo ao palácio.”

Bem distante dali, um dia Davi andava pelo palácio e meditava em sua própria vida, e em como Deus o levara da posição de simples pastor de ovelhas para ser rei. Seu coração se encheu de gratidão. Perguntou a um dos servos do palácio, Ziba, se conhecia algum descendente da casa de Saul. Quando soube da história de Mefibosete, pediu que o comandante do exército, acompanhado da cavalaria real, o trouxesse ao palácio, dizendo: “A quem eu possa mostrar a lealdade de Deus” (v. 3).

Antes que Mefibosete imaginasse, a graça do rei saiu à sua procura. O sonho de criança, de morar em um palácio, tornou-se realidade. E não apenas isso, ele agora era membro da família real, e podia comer à mesa junto com o rei e seus filhos.

Nós somos os “Mefibosetes” da vida. Nascemos para ser filhos do rei, mas levamos no corpo as marcas da queda. Perdemos nosso lugar no palácio para nos refugiar em algum lugar deserto. Por nós mesmos, não podemos nos aproximar do rei.

Quando você pensar que foi esquecido por Deus, quando estiver no limite de não acreditar em mais nada, a graça sairá ao seu encontro.

Não importa o que tenha acontecido com você, nem por quanto tempo tenha se escondido de Deus. Você pode voltar. Você será recebido, e reassumirá sua posição como filho do rei.


CRISE NO JARDIM – 29 DE MAIO 2018

“Adiantando-Se um pouco, prostrou-Se sobre o Seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se possível, passe de Mim este cálice! Todavia, não seja como Eu quero, e sim como Tu queres” (Mateus 26:39).

Segundo a literatura médica, uma pessoa pode transpirar gotas de sangue, estando sob estresse que produz terror excessivo ou cansaço extremo. Voltaire, o cético francês, em seu ensaio sobre as guerras civis da França, descreveu uma cena na qual um homem suava sangue. Quase dois anos depois do massacre do Dia de São Bartolomeu, o Rei Carlos IX teve uma estranha doença para a qual não se achou cura. Seu sangue gotejava pelos poros. Para Voltaire, “aquilo foi o resultado de medo excessivo, de uma violenta luta interior e da vingança divina contra o pecado”.

Houve uma noite em que Jesus suou gotas de sangue. O destino do mundo estava em jogo, e Ele Se deparava com uma escolha difícil: voltar para o Céu, assegurando Sua salvação, ou enfrentar a cruz como um pecador condenado e, assim, garantir a nossa salvação.

Ellen White escreveu: “O tremendo momento chegara – aquele momento que decidiria o destino do mundo. Na balança oscilava a sorte da humanidade. Cristo ainda podia, mesmo então, recusar beber o cálice reservado ao homem culpado. Ainda não era demasiado tarde. Poderia enxugar da fronte o suor de sangue, e deixar perecer o homem em sua iniquidade. … Sofrerá o Inocente as consequências da maldição do pecado, para salvar o criminoso? Trêmulas caem as palavras dos pálidos lábios de Jesus: ‘Pai Meu, se este cálice não pode passar de Mim sem Eu o beber, faça-se a Tua vontade.’” (O Desejado de Todas as Nações, pág. 690).

Cristo não podia suportar a ideia de nossa perdição. O sangue que verteu de Sua fronte naquela noite e, depois, na cruz, é o sangue remidor, o sangue da salvação, vertido por você e por mim, a vida de Deus entregue a um preço infinito. Tudo o que nos resta é dizer: “Obrigado, Jesus, porque derramaste o Teu sangue, para que possamos experimentar o derramamento da Tua graça.”


O ESPELHO DE DEUS – 28 DE MAIO 2018

“Tornai-vos, pois, praticantes da Palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos. Porque, se alguém é ouvinte da Palavra e não praticante, assemelha-se ao homem que contempla, num espelho, o seu rosto natural; pois a si mesmo se contempla, e se retira, e para logo se esquece de como era a sua aparência” (Tiago 1:22-24).

Arthur Bietz fala de uma princesa africana cujos súditos enalteciam sua beleza e graça. Contudo, sua autoestima foi aniquilada no dia em que um comerciante que ali passava lhe vendeu um espelho. Horrorizada com o reflexo da sua própria feiura, ela o despedaçou.

Assim como um espelho, a lei de Deus revela exatamente quem somos. É possível que, ao nos contemplarmos nela, fiquemos também horrorizados com o que virmos. Porém, destruir ou ignorar a lei não vai mudar nossa condição. As imperfeições continuarão no mesmo lugar.

Uma olhada superficial na lei de Deus pode nos dar um sentimento de condescendência e, em nossa presunção, podemos imaginar que estamos muito bem. Mas Jesus revela que a obediência à lei vai além da superfície da letra; tem que ver com o coração. Aqui estão alguns exemplos dados por Ele.

Transgredir o sexto mandamento: “Não matarás” (Êx 20:13), vai muito além do ato físico de matar. A raiva descontrolada, o ressentimento e a amargura são uma violação do mandamento.

Transgredir o sétimo mandamento é muito mais do que o ato físico do adultério. O olhar lascivo precede esse ato. Os que permitem à mente inundar-se com imagens de atos sexuais, nudez, pornografia ou lascívia – em sua realidade ou em fantasia, por meio de vídeos, filmes, ou programas de televisão – estão violando o sétimo mandamento.

Diante da lei, todos somos pecadores. Nossa única esperança é a graça de Deus. Nosso orgulho, fruto de justiça própria, e nossa presunçosa complacência nunca poderão salvar-nos. Somente a graça de Deus pode nos redimir. Sem ela, estamos perdidos. Agora mesmo, celebremos essa graça, e, através dela, obedeçamos à Sua lei.


O VIVER É CRISTO – 27 DE MAIO 2018

“Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro” (Filipenses 1:21).

Assim como Paulo, João Huss foi totalmente comprometido com o Senhor. Condenado a morrer na fogueira, Huss enfrentou a chamada “cerimônia de degradação”, na qual dignatários da Igreja o despojaram de sua identidade como sacerdote e cristão. Primeiro, o cálice da Ceia do Senhor foi tomado de suas mãos, e os dignatários apresentaram acusações contra Huss. Ele respondeu dizendo: “Espero beber do cálice no reino de Deus.” Depois, removeram suas vestes uma a uma, pronunciando, uma após outra, a respectiva maldição. Huss respondeu que estava disposto a sofrer essa vergonha em nome do Senhor.

Finalmente, recebeu uma coroa de papel. Nela, via-se a figura de três demônios brigando pela posse de uma alma, e a inscrição: “Este é um arqui-herege.” Os bispos pronunciaram a última maldição: “Encomendamos sua alma ao diabo!” João Huss respondeu calmamente: “E eu a encomendo ao misericordioso Senhor Jesus Cristo.” Esse corajoso homem, na verdade, estava dizendo: “Vocês podem tirar tudo de mim. Podem degradar-me publicamente, mas não podem tirar o que me é mais precioso: minha relação com o Senhor Jesus Cristo.”

João Huss ecoou as palavras de Paulo. Aprisionado em Roma, Paulo escreveu a carta aos filipenses, considerada por muitos estudiosos “a epístola da alegria.” Ele perdeu a liberdade, mas seu coração rejubilava. Sua reputação foi conspurcada, mas o coração estava cheio de alegria. Perderia a vida, mas, com júbilo, escreveu: “para mim, o viver é Cristo” (Fp 1:21).

Paulo continua: “Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor, por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo” (Fp 3:7 e 8). Se você foi despojado de tudo, riquezas, fama, trabalho, família, alegria e amigos, mas ainda tem Cristo, tem o suficiente.

Paulo e Huss descobriram isso. Você também o pode.


MAIS DEVAGAR! – 26 DE MAIO 2018

“Bem-aventurado o homem que faz isto, e o filho do homem que nisto se firma, que se guarda de profanar o sábado e guarda a sua mão de cometer algum mal” (Isaías 56:2).

Conta-se que o biólogo Thomas Huxley chegou atrasado a uma cidade onde devia fazer uma palestra. Apressado, entrou em uma carruagem e gritou para o condutor: “A toda velocidade!”, no que foi atendido. Huxley tomou seu lugar e, depois de alguns solavancos, perguntou: “Escute aqui, amigo, você sabe aonde eu quero ir?”

“Não, senhor”, o condutor respondeu, “mas estou indo o mais rápido possível.”

Hoje, muitas pessoas vivem correndo, sem saber para onde vão. Um pânico frenético as colocam em movimento, mas elas nem sabem por quê. Vão até o limite para alcançar o sucesso, e, então, ficam pensando: “Mas o que é, realmente, o sucesso?” Deus tem uma resposta.

O sábado nos convida a refletir sobre os valores importantes da vida, fazendo-nos lembrar de nossa origem. Ele nos fala de um Deus que Se preocupa conosco. Em meio ao ritmo alucinado da vida do século 21, o sábado é um convite para que reavaliemos nossas prioridades.

Quando o faraó egípcio impeliu os filhos de Israel para além de seus limites num projeto de construção, Moisés os levou de volta à guarda do sábado. Irado, Faraó fez esta acusação: “O povo da terra já é muito, e vós o distraís das suas tarefas” (Êx 5:5). A palavra “distrair” nessa passagem também pode ser traduzida como “guardar o sábado”. Moisés sabia que os israelitas poderiam perder o rumo. Sabia que seus fardos poderiam obscurecer a visão de Deus, e os convidou a desfrutar o descanso sabático.

Reavaliemos nossas prioridades. Liguemo-nos outra vez com o Criador. Voltemos às nossas origens. O Senhor ainda nos convida a descobrirmos os valores eternos, em meio à pressa dos nossos dias. Sem esta pausa sabática para refletir e adorar, perderemos nossa perspectiva. Com ela, a vida estará no rumo certo.


DEUS ME CONHECE – 25 DE MAIO 2018

“O Senhor fez a Terra pelo Seu poder; estabeleceu o mundo por Sua sabedoria e com a Sua inteligência estendeu os céus” (Jeremias 10:12).

O pensamento do poder criativo de Deus é incrível. Com toda a nossa tecnologia moderna, com todo o nosso conhecimento de computadores, limites espaciais e neuropsicologia, jamais fomos capazes de criar sequer uma minúscula centelha de vida no laboratório! Mas você já se sentiu tão abismado diante do tremendo poder de Deus que tenha começado a imaginar como é possível que Ele olhe para a Terra e Se preocupe em cuidar dos insignificantes seres humanos espalhados aqui?

A mensagem da Bíblia é que o Deus que criou as incontáveis complexidades do mundo tem interesse pessoal em cada um de nós. Podemos ter um vislumbre da majestade do nosso Criador nos lugares e momentos menos esperados: No esplêndido pôr-do-sol – com sua beleza singular, coroando os últimos momentos de cada dia. Na profusão de flores perfumadas – cada uma pontilhando a paisagem com seus delicados matizes. Nos fragrantes pinheiros e folhas de outono. Nas geadas de inverno e nos picos nevados. Em cada botão que se abre, bem como nas minúsculas sementes. Vemos no mundo inteiro a impressão digital do toque do Mestre.

Diante disso, devemos unir-nos ao louvor de Davi: “Grandes são as obras do Senhor. … Em Suas obras há glória e majestade” (Salmo 111:2 e 3).

Deus não só deu aos homens e mulheres um belo universo onde viver, como cuida de todas as demais necessidades deles. Não lhe traz paz de espírito o fato de saber que Deus está no controle do Seu Universo? E nós fazemos parte desse Universo – na verdade, do ponto de vista da Terra, somos a parte mais importante do Seu Universo. Nenhum problema em nossa vida é pequeno demais para levarmos ao Deus do fantástico átomo e do delicado beija-flor; nenhum problema é grande demais para levarmos ao Deus que sustém incontáveis mundos no espaço e os mantém funcionando “pontualmente”!

Que paz e confiança podemos desfrutar ao saber que nada pode acontecer em nossa vida que seja pequeno demais ou difícil demais para Deus resolver. E porque Ele é Onisciente e continuamente confiável, fará sempre o que é melhor para nós, fundamentado em um amor que é eterno.


O SÁBIO É CAUTELOSO – 24 DE MAIO 2018

“O sábio é cauteloso e desvia-se do mal, mas o insensato encoleriza-se e dá-se por seguro” (Provérbios 14:16).

Um jovem casado, assediado por muitas mulheres, recebeu o conselho sábio de seu patrão, um homem cristão e experiente: “Não dê atenção a essas damas.” O jovem respondeu com ironia: “Há muita sabedoria em números”, referindo-se ao livro bíblico de Números. “É possível”, disse o patrão, “mas, com certeza, há mais sabedoria no Êxodo.”

O provérbio de hoje apresenta uma advertência: Fuja do mal. Não complique a sua vida. Evite a tentação. O primeiro pecado do mundo aconteceu porque Eva achou que podia “administrar” a tentação. Sua segurança estava em conservar-se longe da árvore. Você conhece o fim da história.

Pessoas sábias jamais correm riscos desnecessários. Não querem saber quão perto podem chegar do precipício. O insensato rejeita os conselhos, encoleriza-se quando alguém tenta mostrar-lhe o perigo. Sente-se seguro e acha que nada tem a aprender.

Séculos atrás, o apóstolo Paulo estabeleceu um princípio de segurança espiritual. “Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia” (1Co 10:12).

As grandes derrotas da vida não acontecem quando estamos em guarda. Mas quando, confiados em nossas vitórias passadas, achamos que estamos seguros e abaixamos a guarda.

Aconteceu com Belsazar, em Babilônia. Seu império parecia invencível. Seus inimigos estavam dominados e dedicou-se a viver em clima de festa. Foi uma noite de festa que se transformou em tragédia, porque o exército medo-persa invadiu e destruiu Babilônia.

Aconteceu com Golias. O que poderia fazer um garoto, com uma funda e cinco pedrinhas? Abaixou a guarda. Num segundo, o gigante jazia derrotado no chão.

Fuja do mal. Seja sábio. Pare hoje mesmo de brincar com o perigo. Não abaixe a guarda. Não sinta segurança nas suas próprias forças. Isso pode ser fatal.

Que Deus lhe dê um dia maravilhoso. E não se esqueça de que “o sábio é cauteloso e desvia-se do mal, mas o insensato encoleriza-se e dá-se por seguro”.


DEUS CRIOU VOCÊ – 23 DE MAIO 2018

“Cantarei ao Senhor enquanto eu viver; cantarei louvores ao meu Deus durante a minha vida” (Salmo 104:33).

Você já experimentou a sensação de estar boiando sem rumo no mar desta vida? Então, leia esta meditação. O Salmo 104 é a versão poética do Gênesis. O tema central é o reconhecimento de Deus como Criador e Sustentador do Universo.

No verso de hoje, o salmista promete cantar louvores a Deus enquanto viver. Essa promessa é motivada pela segurança que experimenta ao reconhecer-se criatura, obra-prima do Criador. Diferente do homem de nossos dias: humanista, relativista, pluralista, que deseja ser o deus de seu destino, dono absoluto de seus padrões de comportamento.

Que ironia! A liberdade que o homem procura vira libertinagem. A independência que busca transforma-se em escravidão dos próprios instintos. Machuca-se, fere-se, destrói-se e não é feliz.

O salmista sabe que é criatura. Aceita este fato. Não é submissão irracional. Seu desenvolvimento dependerá justamente de saber que tem um Criador que o colocou neste mundo para escalar montanhas e voar pelo azul infinito de realizações inéditas.

A loucura do homem é paradoxal. Trágica sua busca sem sentido. Quanto mais procura, menos acha. Perde-se no labirinto de seu raciocínio, sufoca-se na sua amargura e na sua angústia. Mergulha como o peixe no seu próprio aquário e, exausto, tira a cabeça buscando o oxigênio que não achou nas suas próprias águas.

Eu não quero essa vida para mim, parece dizer o salmista; por isso, reconhecerei meu Deus como Criador, enquanto viver. É a única garantia de que a minha vida continuará tendo sentido.

E quanto a você? Não acha que chegou a hora de escutar menos as explicações humanas e volver mais os olhos em direção a Deus? Ele é seu Criador e sabe melhor do que ninguém como funciona a intrincada maravilha de sua mente e de seu corpo.

Não inicie as atividades hoje sem reconhecer-se criatura. Deus é pai, você é filho. Diga como Davi: “Cantarei ao Senhor enquanto eu viver; cantarei louvores ao meu Deus durante a minha vida.”


PREGUIÇA – 22 DE MAIO 2018

“Em todo trabalho há proveito; meras palavras, porém, levam à penúria” (Provérbios 14:23).

Sabino gosta de falar. Não há nada de errado nisso; afinal de contas, falar é um dom recebido de Deus. O problema de Sabino é que ele criou um universo encantado de palavras dentro do qual parece mover-se com facilidade. As pessoas olham para ele e não sabem se brinca ou fala sério. Pela convicção que coloca no que diz, dá a impressão de que ele acredita nas fantasias que inventa.

Sabino passa necessidades e privações. Foge do trabalho como o gato foge da água. Nenhum trabalho está à sua altura. Já passou dos 30 anos e continua esperando que um dia apareça o emprego certo para “o nível de sua preparação”.

Ao lermos o conselho de Salomão hoje, temos a impressão de que Salomão conheceu de perto o Sabino. O verso de hoje afirma: “Pare de falar e faça alguma coisa porque, de outro modo, você vai viver em permanente pobreza.”

A palavra “trabalho”, usada no texto de hoje, em hebraico é eseb. Literalmente, significa “instrumento doloroso”. É a referência ao trabalho depois da entrada do pecado, quando Deus disse a Adão que, a partir daquele momento, ele comeria com dor.

Segundo o verso de hoje, o homem sábio prefere o trabalho do que “meras palavras”. Estas só conduzem à pobreza, enquanto o trabalho promove o crescimento.

Na maioria das vezes, o falar muito é primo-irmão da preguiça. E esta anda tão devagar que, mais cedo ou mais tarde, é alcançada pela pobreza ou pela desonestidade.

Não fuja do trabalho honesto. “Em todo trabalho há proveito”, afirma Salomão. Qualquer trabalho, seja pequeno ou grande, enobrece o ser humano. Cruzar os braços e aguardar uma “melhor oportunidade” é o caminho mais curto para a inutilidade. E uma vida inútil é uma morte prematura.

Hoje pode ser um dia diferente na sua experiência. Faça o que vier às suas mãos para fazer, mas faça-o! A vida é como uma máquina. Nunca funcionará se você não apertar o botão. É preciso começar.

Comece e lembre-se: “Em todo trabalho há proveito; meras palavras, porém, levam à penúria.”


QUEM É O HOMEM? – 21 DE MAIO 2018

“Que é o homem, que dele Te lembres? E o filho do homem, que o visites?” (Salmo 8:4).

Outro dia, um homem envolvido em mil e um problemas disse: “O que vim fazer neste mundo? Vim só para sofrer? Melhor teria sido não haver nascido.” Alguma vez você já se perguntou para que veio ao mundo? Qual é o propósito de sua existência? Quem é você?

Uma noite, o salmista contemplava o céu infinito, a lua e as estrelas e, de repente, ao ver toda aquela beleza natural, perguntou com espontaneidade: “Que é o homem?” O que é o homem diante da magnificência do Universo? Uma partícula de pó? Nada? Quase nada?

Enquanto muitos acreditam que o ser humano é nada mais do que um animal racional, ou seja, um animal um pouco superior aos outros animais, Davi, contemplando o espetáculo daquela noite maravilhosa, responde sua própria pergunta, afirmando: “Fizeste [o homem], … por um pouco, menor do que Deus” (Sl 8:5).

Que é o homem, afinal de contas? Um pouco maior que os bichos ou um pouco menor que os anjos? Depende da sua perspectiva. Para você, o homem é fruto do acaso? Um acidente milenar? Ou fruto do amor maravilhoso de Deus?

Se ele é fruto do acaso, então sua existência não tem um propósito. Tudo que acontece com ele é um acidente. Ele é uma pobre vítima de um destino desconhecido.

Por outro lado, se é fruto do amor de Deus, ele sabe de onde vem e para onde vai. Tem nas mãos o mapa que o conduzirá à realização de seus sonhos. Tem à sua disposição a Tocha que iluminará sua vida nas circunstâncias mais escuras. Tem o braço forte de seu Criador, que a cada passo sussurra aos seus ouvidos: “Não tenha medo, Eu serei contigo.”

Você pode estar vivendo o drama mais horrível da vida. Como ser humano sujeito ao desânimo e ao derrotismo, pode sentir que não existe saída para os problemas que o rodeiam. Mas se acreditar que você é fruto do amor de Deus, até a dor e as lágrimas têm sentido. Nada que acontece na vida dos filhos de Deus acontece por acidente. Tudo tem um propósito. Talvez ele não possa ser visto hoje, mas amanhã será esclarecido.

Por isso, hoje, tente olhar além das nuvens. Diante da pergunta do salmista: “Que é o homem, que dele Te lembres?” Responda: Eu sou um filho maravilhoso de Deus.


RIQUEZA  OU COROA? – 20 DE MAIO 2018

“Aos sábios a riqueza é coroa, mas a estultícia dos insensatos não passa de estultícia” (Provérbios 14:24).

Há dois caminhos e dois destinos: o céu ou o inferno, a felicidade ou a desgraça, a riqueza ou a pobreza. Você é a única pessoa que pode escolher por si. O resultado de sua escolha será vida ou morte.

O livro de Provérbios dá a impressão de ser repetitivo. As palavras “sabedoria” e “insensatez” são as que mais se repetem. O destino final dos sábios é prosperidade e glória. O fim dos insensatos é vergonha e tristeza.

A vida é curta e apenas uma. Assemelha-se à nota de um real. Você pode gastá-la como quiser, mas apenas uma vez. Não existe volta. Se você a desperdiçou e a morte o surpreender, não há uma segunda oportunidade.

A sabedoria que vem de Deus desperta em você a consciência da brevidade e da seriedade da vida. Você não se assusta nem se desespera, mas aproveita com sensatez cada minuto da existência.

No texto de hoje, Salomão enfatiza a recompensa de viver com sabedoria. Ele menciona a riqueza como a coroa que os sábios conquistam. Riqueza, aqui, tem o sentido de felicidade, prosperidade, êxito e tudo aquilo que o ser humano almeja.

Você pode receber satisfação ou tristeza no fim da vida. Depende só de você. A vida lhe dá tempo e espaço. É você quem decide com que preenchê-los.

Lamentavelmente, sabedoria não é algo que se encontra nas prateleiras do conhecimento humano. Só o companheirismo e a comunhão diária com Jesus o ensinam a viver. Você lê a Palavra de Deus e imediatamente ela produz na sua mente um pensamento, que se transforma em sentimento, e que dá lugar à decisão.

As decisões diárias alimentam-se de informações. Se estas vêm de Deus, as decisões são sábias. Se vierem apenas dos seres humanos, são apenas humanas. E, como tudo aquilo que provém do homem, são inconsistentes, passageiras e sujeitas a erros.

Faça de hoje um dia de decisões sábias. Busque na Palavra de Deus a orientação oportuna para viver com sabedoria, porque “aos sábios a riqueza é coroa, mas a estultícia dos insensatos não passa de estultícia”.


MARTA E MARIA –  19 DE MAIO 2018

“Respondeu o Senhor: ‘Marta! Marta! Você está preocupada e inquieta com muitas coisas; todavia apenas uma é necessária. Maria escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada’” (Lucas 10:41, 42).

Você já deve ter preparado a lista de tudo que pretende fazer hoje. Isso é bom para ativar a memória e não deixar de fora compromissos com data marcada. Aprendi a fazer essa lista depois de muito tempo. Uma vez pronta, enumerava os itens em ordem de importância. No entanto, quantas vezes atropelei a lista, movido por aquilo que eu julgava ser urgente: se eu não for agora, se eu não telefonar agora, se eu deixar para depois… não encontrarei a pessoa, perderei a vez, perderei a promoção; é somente até tal hora, etc. O que era mais importante acabava atropelado pelo urgente.

Alguma vez você já se sentiu culpado por não ter tido tempo de ler a Bíblia ou fazer com calma sua oração? É difícil não tomar partido dividindo o mundo entre Marias e Martas. Equivocadamente, temos jogado uma contra a outra, querendo contrapor devoção e dever, a espera e a ação. De um lado, Maria, contemplativa, ouvindo. De outro, Marta em atividade, falando. A verdade é que somos um misto de Maria e Marta. Imagino que Marta tenha se sentado por alguns minutos aos pés de Jesus, mas começou a se preocupar com o almoço para os treze visitantes inesperados (Jesus e Seus discípulos). Se tivesse um freezer e um micro-ondas, seria mais fácil. Mas ela ia e vinha, não parava.

Deus não coloca em nosso dia mais coisas do que possamos administrar, nem empilha sobre nossos braços mais coisas do que possamos carregar.

Há pessoas que não sabem se sentar nem por cinco minutos. Parece que as cadeiras em que se sentam estão providas de um mecanismo ejetor que as faz levantar, andar, sair, viajar. Ir e fazer ou se sentar e escutar? Jesus não estava dizendo que uma estava certa e a outra, errada. Na realidade, Ele quer que imitemos Maria em sua devoção e Marta em sua atividade.

Gostaria de convidá-lo a dar um passo de fé, colocando o mais importante antes do urgente. Faça uma experiência se sentando aos pés de Jesus logo no início do dia. Tenho certeza de que você vai conseguir organizar melhor a agenda e vai cumprir seus deveres com mais alegria e satisfação. Mesmo que você tenha que se levantar mais cedo, seja para ir ao trabalho ou à faculdade, reestude sua agenda: sentar-se, escutar e depois ir e fazer.


ACESSO ILIMITADO – 18 DE MAIO 2018

“Naquele momento, o véu do santuário rasgou-se em duas partes, de alto a baixo” (Mateus 27:51).

Um dos momentos em que me sentia excluído e tremendamente discriminado ao viajar, era quando, logo depois de iniciado o voo, um comissário de bordo fechava a cortina que separa a primeira classe e a classe executiva do restante dos passageiros. Do lado de lá da cortina, o jantar era servido antes em pratos, talheres e copos especiais. Do lado de cá, isto é, do meu lado, não eram necessários pratos porque cada um recebia o sanduíche na mão mesmo. As cortinas fechadas diziam: “Aqui é uma classe especial, por favor, não passe, não se aproxime, mantenha-se longe.”

A Bíblia fala de outra cortina. Era uma cortina muito bonita, artisticamente trabalhada. Estava naquele lugar havia muitos anos. As cores eram as mesmas usadas na corte real: azul púrpura e escarlata. Nela havia também querubins bordados.

Era uma cortina imensa, de tecido encorpado. Mãos humanas não seriam capazes de rasgá-la. Em sua solenidade, o que aquela grande cortina parecia dizer era: “Pare! Não se aproxime! Nenhum acesso há para você neste lugar.” Apenas o sumo sacerdote tinha direito de passar além da cortina, uma vez ao ano, e somente por alguns momentos.

Na sexta-feira daquela Páscoa, quando Jesus estava morrendo na cruz, a cortina se rasgou de alto a baixo. Isso significou a remoção de todas as barreiras e dificuldades para nos aproximarmos de Deus. As limitações que havia no templo – para gentios, mulheres e escravos – terminaram. Todos igualmente temos acesso a Deus. “Mas agora, em Cristo Jesus, vocês, que antes estavam longe, foram aproximados mediante o sangue de Cristo” (Ef 2:13).

Deus não está mais limitado a um lugar. Ele está acessível em qualquer tempo. Você não precisa ser um gigante espiritual para orar.

A cortina rasgada é um convite de Deus a todos aqueles que desejam se aproximar dEle como um Pai amorável. O véu rasgado é um novo caminho para todos aqueles que reconhecem sua necessidade de um Salvador.

“Vamos então nos aproximar sem medo, confiada e ousadamente do trono da graça (o trono do favor imerecido de Deus para os pecadores), para que recebamos misericórdia (para nossas falhas) e achemos graça e ajuda apropriada e oportuna, vindo justamente quando a necessitamos” (Hb 4:16, Versão Amplificada).


REDENÇÃO E LIBERDADE – 17 DE MAIO 2018

Ele nos resgatou do domínio das trevas e nos transportou para o reino do Seu Filho amado, em quem temos a redenção, a saber, o perdão dos pecados” (Colossenses 1:13, 14).

A tradição sobre Abraão Lincoln conta que, certa vez, ele foi visitar um mercado no qual estava sendo realizado um leilão de escravos. O leiloeiro subiu ao estrado e começou a falar rapidamente sobre a primeira pessoa a ser leiloada. Era uma jovem negra, de mais ou menos vinte anos de idade. Sua vestimenta estava gasta, mas limpa. À medida que os lances eram feitos, ela se demonstrava com medo e ansiosa por saber quem seria seu comprador. Finalmente, Lincoln deu o maior lance, pagou o preço e recebeu o documento de compra.

A moça começou a acompanhá-lo, mas ele se voltou e perguntou para ela: “Para onde você está indo?” “Como? Eu vou com o senhor! Você me comprou e eu lhe pertenço.” “Ah, você não entendeu! Eu não comprei você para ser minha escrava, eu a comprei para deixá-la livre.” Então, pegou o documento de compra e escreveu cinco letras grandes: LIVRE. Em seguida, assinou seu nome e deu para ela. “O que significa isto?”, perguntou ela. “Significa que você está livre.” “Então, posso ir a qualquer lugar que eu queira ir?” “Exatamente, você está livre.” “Bem, se estou livre para fazer o que desejo, quero ir com o senhor.” Assim, naquele dia ela acompanhou Abraão Lincoln, não como escrava, mas como alguém que tinha sido liberta.

Redenção era a palavra usada no mercado de escravos de Roma. Tem mais a ver com o pagamento de um débito ou penalidade, com o propósito de libertar um escravo ou prisioneiro. Um escravo poderia ficar livre de sua escravidão, se alguém estivesse disposto a comprá-lo, para então libertá-lo.

Pela Sua morte na cruz, Jesus pagou o preço do resgate e redimiu o pecador de sua posição de escravo. Ele é o único que pode nos livrar do cativeiro. Pagou o resgate do ser humano com a própria vida.

“O Filho do homem veio para […] dar a Sua vida em resgate por muitos” (Mc 10:45).

E Pedro fala do preço: “Pois vocês sabem que não foi por meio de coisas perecíveis como prata ou ouro que vocês foram redimidos […] mas pelo precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem mancha e sem defeito” (1Pe 1:18, 19).

“Pois vocês não receberam um espírito que os escravize para novamente temerem, mas receberam o Espírito que os adota como filhos” (Rm 8:15).


BENDITA ESPERANÇA – 16 DE MAIO 2018

“Aguardamos a bendita esperança: a gloriosa manifestação de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo” (Tito 2:13).

Esperança é uma das palavras mais queridas do vocabulário cristão. Ela tem alimentado a fé e fortalecido muitos cristãos através do tempo, e nos momentos mais difíceis da vida. A esperança é um chamariz para o futuro. Um desejo que acariciamos e gostaríamos que se concretizasse. Ela não deve ser confundida com otimismo, que depende em muito das circunstâncias: “Espero que apareça o emprego de que estou precisando; espero que aquele relacionamento vingue; que o marido abandone a bebida; que o tratamento dê certo; que o inimigo se torne amigo; etc.”

A esperança não depende de circunstâncias positivas. Também não é o mesmo que pensar positivamente: “Sei que um milagre está a caminho.” Nem tampouco é o mero desejo focalizado em coisas: curso, casa, dinheiro, promoção. A esperança faz parte do tecido da existência humana e está urdida e entremeada nos grandes acontecimentos da vida.

Esperança é o noivo e a noiva, no altar da igreja, dizendo “sim” um para o outro no dia do casamento. É o que leva esse mesmo casal a tentar mais uma vez, muitos anos mais tarde, depois de despedaçadas as esperanças.

Esperança é a razão por que aquele time continua treinando. É por isso que temos o exame de ingresso nas universidades. É por isso que os hospitais estão abertos, na esperança de restaurar a saúde das pessoas.

Através do tempo, o povo de Deus desenvolveu a esperança do advento. O desejo de se encontrar com o Salvador. Uma expectativa do futuro. Paulo deu uma definição especial para o evento da segunda vinda de Jesus: ele a chamou de “bendita esperança”. Para ele, essa esperança não era mero desejo ou coisa incerta. Não era algo que, caso mantenhamos a esperança, talvez chegue a se cumprir. Não cabe aqui nenhum sentimento de ansiedade, nem de meia verdade, que admita que talvez Cristo não volte. A esperança de Paulo era segura. Era uma expectativa confiante na vinda de Cristo.

Quantas mães cansadas de lutar para manter os filhos se levantam cedo, trabalham o dia todo, deitam tarde e aguardam o dia em que essa luta vai terminar! Quantos enfermos crônicos necessitam diariamente de cuidados médicos e gostariam que logo essa fase passasse!

“Por isso, não abram mão da confiança que vocês têm; ela será ricamente recompensada. […] Pois em breve, muito em breve ‘Aquele que vem virá, e não demorará’” (Hb 10:35, 37).


ARRISCAR-SE – 15 DE MAIO 2018

“É isto que eu quero dizer: ‘Arrisque-se em sua vida e você conseguirá muito mais do que sonhou’” (Lucas 19:26, The Message).

Risco de verdade tem que deixar você com medo. Um incidente que teve lugar há muitos anos fala da coragem frente ao risco. Um homem, cambaleante e morrendo de sede, estava atravessando o deserto quando viu um poço. Ao se aproximar, encontrou uma pequena lata, e dentro dela um papel com anotações que diziam: “Estimado amigo, há suficiente água neste poço para todos, mas algumas vezes o couro da bomba seca, e você precisa preparar a bomba para poder puxar a água. Se você procurar embaixo da pedra à sua esquerda, encontrará uma garrafa fechada cheia de água. Calma. Por favor, não beba a água. O que você tem que fazer é pegar a garrafa d’água e derramar a primeira metade vagarosamente no poço para umedecer o couro da bomba. Depois disso, derrame o restante vagarosamente e comece a bombear imediatamente. Você obterá água. Este poço nunca secou. Tenha fé. E quando terminar, não se esqueça de encher a garrafa e colocar o papel de volta na latinha, deixando-a no mesmo lugar. Boa sorte e boa viagem. Atenciosamente: seu amigo, Pedro Deserto.”

A garrafa com água é suficiente apenas para matar sua sede, mas não para salvar sua vida. O que você faria? Você se arriscaria?

Como seria diferente a Bíblia se Noé não se arriscasse a construir um barco que nunca tinha visto antes; se Abraão tivesse dito não ao convite de Deus para ir a um lugar que não sabia onde ficava; se Davi decidisse continuar cuidando das ovelhas em vez de lutar contra o gigante; se Maria tivesse dito ao anjo que, como adolescente, não estava interessada em ser mãe. Se Jesus não tivesse Se arriscado a deixar o Céu, não haveria esperança para nós. Acrescente-se ainda uma legião de personagens bíblicos que se tornaram heróis porque se arriscaram.

Em cada dia há um convite para você se arriscar, inovar, crescer, criar, aprender, sair da mesmice, ousar. Quem sabe hoje seja um dia para isso. Arriscar-se a formar uma nova amizade, a dizer “o erro foi meu”, a cumprimentar o vizinho, escrever uma poesia, a começar aquele projeto que há tempo você sonha executar.

Faça como o homem que tinha dez talentos, a quem Jesus sugeriu imitar: “Arrisque-se e você conseguirá muito mais do que sonhou.”


“ESTÁ TUDO BEM! ” – 14  DE MAIO 2018

“Suas roupas se tornaram brancas, de um branco resplandecente, como nenhum lavandeiro no mundo seria capaz de branqueá-las” (Marcos 9:3).

Robert Louis Stevenson conta uma pequena história. Um navio estava em dificuldade, enfrentando séria tempestade. Os passageiros estavam assustados. Finalmente, um deles, desobedecendo às ordens de segurança, subiu até a cabine de comando para ver o capitão. Ele estava em seu posto de dever segurando o timão e, ao perceber que o homem estava amedrontado, deu-lhe um sorriso de saudação. Retornando para junto dos outros passageiros, o homem disse: “Vi o rosto do capitão e ele sorriu. Está tudo bem.”

“Vi o rosto do capitão e está tudo bem” pode ser a frase na qual se baseia a história da transfiguração. O propósito pelo qual Jesus estava Se retirando era para orar, apoiar-Se na onipotência do Pai e pedir que Lhe fosse dada uma manifestação da glória que Ele tivera com o Pai desde a eternidade.

Não nos esquecemos da manjedoura, do batismo de Jesus, da tentação, mas a transfiguração também se afigura um acontecimento importante na vida do Mestre. Ela está conectada com a morte e a ressurreição dEle, além de ser um prenúncio de Sua segunda vinda.

Junto com Jesus apareceram duas figuras do passado: Moisés e Elias. Os dois patriarcas conversaram com Ele. Moisés foi ressuscitado dentre os mortos e o outro, transladado ao Céu. O rosto de Jesus resplandeceu. Suas vestes se tornaram brancas. Não era alucinação o que os discípulos estavam presenciando; era Jesus mesmo, o Messias, o Filho de Deus. A voz falou: “Este é o Meu Filho amado em quem Me agrado. Ouçam-nO!” (Mt 17:5). Isso explicava tudo o que acontecia ali.

Muitas vezes desejamos experiências iguais à do alto do monte da transfiguração, como fins de semana com Deus, semanas de oração, vigílias, etc. Queremos manter aquele sentimento de entrega e proximidade com Deus, e de paz no coração. Esse sentimento é importante, mas temos que voltar para o dia a dia de trabalho e de estudo. Se ao menos pudéssemos ter conosco aquele sentimento de proximidade! E a reação dos discípulos? Queriam congelar o evento. Sentindo o ambiente, Pedro disse: “Vamos ver quem é o dono do terreno e comprar esta propriedade! Vamos montar três barracas e ficar por aqui mesmo.”

Mas Jesus disse: “Não! Precisamos descer a montanha e nos encontrar com as pessoas.” O discipulado envolve seguir em frente, se misturar, interagir.

Pedro, Tiago e João bem poderiam ter dito: “Nós vimos o rosto do capitão e Ele sorriu. Está tudo bem!”


MÃE É MÃE – 13 DE MAIO 2018

“Honra o teu pai e a tua mãe” (Êxodo 20:12).

“Uma simples mulher existe, que, pela imensidão do seu amor, tem um pouco de Deus, e pela constância de sua dedicação tem muito de anjo. Sendo jovem, pensa como anciã, e sendo idosa, age com o vigor da juventude. Quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e quando sábia, assume a simplicidade das crianças. Pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos seus filhos, e rica, empobrecer-se pela infelicidade deles. Forte, estremece ao choro de uma criancinha. Fraca, sabe altear-se com a bravura dos leões. À sua sombra, todas as dores se apagam. Em vida, não sabemos dar-lhe o devido valor. Quando a perdemos, daríamos tudo o que temos para vê-la de novo e receber dela um abraço, ou ouvir uma palavra de seus lábios”. Essas não são apenas palavras de um poeta, mas, sobretudo, verdades da vida que tenho confirmado por experiência pessoal e observação.

O Dia das Mães foi oficializado no Brasil, em 1932 pelo então presidente Getúlio Vargas. Lembra as virtudes básicas e as qualidades desse ser que tem “um pouco de Deus, e muito de anjo”. O Dia das Mães é um justo monumento em honra à criatura que dá sua “vida humanizada em sangue, e o seu sangue santificado em leite”. No seu pequeno universo, a mãe é ao mesmo tempo fada, rainha, sábia, professora, “sacerdotisa”, mediadora, médica e anjo da guarda. Prestimosas, infatigáveis, indo e vindo no recesso dos lares, aconselhando, supervisionando, amparando, consolando, respondendo a perguntas infindáveis, essas silenciosas protetoras são insubstituíveis. Depois de Deus, elas representam a maior influência para o bem que conhecemos. A elas cabe escrever, no compêndio vivo que é uma criança, as grandes lições da vida. Por alguns anos, elas chegam mesmo a estar no lugar de Deus para os seus filhos.

E você? Honra, respeita, reverencia e considera a mãe que Deus lhe permitiu ter? Você ainda a tem? Pense na reafirmação de amor, consideração e respeito em seu relacionamento com esse dom precioso, exclusivo, único, “irrepetível”!


EU OS OUVIREI! – 12 DE MAIO 2015

“Providenciarei para suas necessidades antes que eles peçam” (Isaías 65:24, New Century Version).

Em continuação à história de ontem, leia o que a médica missionária conta: Como é comum quando lidamos com crianças, achei que eu estava em apuros. Poderia eu, honestamente, dizer “Amém” em resposta à oração da menina? Eu simplesmente não conseguia acreditar que Deus poderia atendê-la. O único jeito de obtermos a bolsa de água quente seria por encomenda à minha terra natal, via correio.

Eu estava na África havia quatro anos. Jamais tinha recebido uma encomenda postal de minha família. E se alguém enviasse um presente, poria ali uma bolsa de água quente? Afinal, eu morava na linha do Equador.

No meio da tarde, durante uma aula da escola de enfermagem, veio um recado dizendo que um carro estacionara no portão de minha casa. Quando cheguei, o carro já havia partido e deixado um pacote de 11 quilos na varanda.

Não consegui abrir a caixa sozinha. Pedi que algumas crianças do orfanato me ajudassem. Trinta a quarenta olhos arregalados acompanhavam atentos cada movimento. Na camada de cima havia roupas de cores vivas e brilhantes. Os olhinhos das crianças brilhavam à medida que as distribuía. Na camada seguinte havia ataduras para os pacientes leprosos, caixinhas de uvas passas, pacotes de farinha que se transformariam em deliciosos bolos no fim de semana.

Quando coloquei as mãos de novo na caixa, pasmem… “Uma bolsa de água quente, novinha em folha!” gritei.

Eu não havia feito nenhum pedido. Rute, aquela menina que havia orado na reunião de oração, saltou do banco da frente e gritou: “Se Deus mandou a bolsa de água quente, mandou também a boneca!” Enfiando as mãos na caixa, começou a procurar a boneca. E lá estava ela, maravilhosamente vestida!

Rute não duvidara nem por um instante. Olhando para mim, perguntou: “Posso ir junto levar a boneca para a irmãzinha do bebê, para que ela saiba o quanto Jesus a ama?”

Esse pacote estivera a caminho por cinco meses. Foi iniciativa de minha ex-professora de escola bíblica, cuja líder atendeu a voz do Senhor de enviar uma bolsa de água quente. E uma das alunas dela decidiu, cinco meses antes, enviar junto uma boneca, em resposta a uma oração de outra menina de 10 anos de idade que acreditou fielmente que Deus atenderia à sua oração, ainda naquela tarde.

Não podemos duvidar de que Deus atende nossas orações, muitas vezes antes mesmo de pedirmos!


ANTES DE CLAMAREM – 11 DE MAIO 2018

“Antes de clamarem, Eu responderei; ainda não estarão falando, e Eu os ouvirei” (Isaías 65:24).

Helen Rosenweare, que foi médica missionária no antigo Congo Belga, conta uma experiência que comprova a promessa do texto de hoje. Ela a intitula “A Bolsa e a Boneca”. Veja que interessante relato:

Certa noite eu estava fazendo de tudo para ajudar uma mãe em trabalho de parto. Apesar do esforço, ela não resistiu e nos deixou com um bebê prematuro e uma filha de dois anos em prantos. Era muito complicado manter o bebê vivo sem uma incubadora (não tínhamos eletricidade para ativar uma incubadora). Também não tínhamos recursos adequados de alimentação. Mesmo morando na linha do Equador, as noites eram frias como aragens traiçoeiras.

Uma das aprendizes de parteira foi buscar a caixa que reservávamos para bebês nessa situação e os panos de algodão para envolvê-los. Uma outra foi alimentar o fogo para aquecer uma chaleira de água para a bolsa de água quente. Sem demora, voltou desconsolada, pois a bolsa havia se rompido. Borracha estraga fácil em clima tropical. “Era nossa última bolsa de água quente”, ela me disse.

Assim como no Ocidente se diz que “não adianta chorar sobre o leite derramado”, na África Central se diria que “não adianta chorar sobre bolsas de água quente estragadas”. Elas não crescem em árvores, e não existem farmácias no meio das florestas.

“Muito bem”, disse eu, “coloquem o bebê em segurança tão próximo quanto possível do fogo e durmam entre a porta e o bebê para protegê-lo das lufadas de vento frio. Mantenham o bebê aquecido.”

Na tarde seguinte, fui orar com as órfãs que vez ou outra queriam reunir-se comigo. Fiz uma série de sugestões que pudessem incentivá-las a orar e, também, contei-lhes sobre o bebê. Expliquei a dificuldade em manter o bebê aquecido já que a única bolsa de água havia estourado, e que o bebê poderia morrer se passasse frio. Mencionei a irmãzinha de dois anos que não parava de chorar e sentia a perda e a ausência da mãe.

Durante as orações, uma das meninas africanas de 10 anos orou: “Por favor, Deus, manda-nos a bolsa de água quente. Amanhã talvez será tarde, porque o bebê pode não aguentar. Por isso, manda a bolsa de água quente ainda hoje.”

Enquanto eu ainda procurava recuperar o ar diante de tamanha ousadia, a menina acrescentou: “E, Senhor, já que estás cuidando disso, por favor, manda junto uma boneca para a irmãzinha do bebê, para que ela saiba que também a amas de verdade.”

Será que havia meios de Deus atender a essa oração? Amanhã você saberá a segunda parte desta história.


VINHO NOVO – 10 DE MAIO 2018 

“Tendo acabado o vinho, a mãe de Jesus Lhe disse: ‘Eles não têm mais vinho’” (João 2:3).

Quantos de nós já não assistimos casamentos nos quais um pequeno erro levantou um riso de complacência da audiência. Um pastor contava de um casamento que tinha oficiado. Durante o ensaio, o noivo o puxou de lado e lhe fez uma oferta: “Vou lhe dar 100 reais para o senhor mudar os votos matrimoniais. Quando o senhor for falar os votos para mim, gostaria que deixasse de fora a parte que diz ‘promete amar, honrar e proteger…’.” E então entregou os 100 reais ao pastor.

No dia do casamento, noivo e noiva estavam no altar diante da igreja, e na hora dos votos, o pastor olhou para o noivo e disse: “Promete obedecer à sua esposa em cada um dos seus pedidos? Promete levar o desjejum na cama cada manhã de sua vida? Promete que amará eternamente sua esposa e não olhará para nenhuma outra mulher enquanto ambos viverem?” O noivo engoliu em seco e com voz titubeante disse: “Sim”.

Depois da cerimônia, foi reclamar com o pastor e perguntou o que tinha acontecido. “Pensei que tivéssemos feito um trato!” O pastor devolveu a nota de 100 e disse: “A oferta da sua noiva foi melhor.”

Pensemos em outro casamento. Todos os detalhes haviam sido cuidadosamente checados: o dia, local e hora do casamento, o convite, a lista de convidados, a ornamentação, padrinhos, damas de honra, música, vestido da noiva, a recepção, etc. E ali estavam os convidados, tios, tias, primos, irmãos. E o vinho acabou… Nenhum vinho. Nada. Diríamos hoje: “Uma falha indesculpável.”

Há momentos na vida em que o vinho acaba, a música cessa e as flores murcham. O sonho se torna pesadelo. Como entender que, de um lugar de onde saía amor e companheirismo, agora saia ódio, apatia, indiferença? O carinho vira empurrão, a palavra amorosa se torna em xingamento, e o elogio é interpretado como provocação. Temos que parar, pensar e nos desarmar, depois dizer: “Não é porque o começo deu errado que não possamos consertar.”

Hoje Jesus quer realizar em você e em sua família o milagre do vinho novo. O milagre da abundância, da transformação e de novas possibilidades. Ele quer mudar a tristeza em alegria, o afastamento em aproximação e o orgulho em perdão.

“Todas as águas comuns da vida, Cristo pode transformar em vinho do Céu” (E. G. White, O Lar Adventista, p. 28).

Diga para Jesus: “Senhor, preciso do milagre do vinho novo em minha vida e em minha família; por favor, muda a tristeza em alegria, a intranquilidade em paz.”


A LUTA NO JARDIM – 09 DE MAIO 2018

“Apareceu-Lhe então um anjo do Céu que O fortalecia” (Lucas 22:43).

Duas grandes batalhas do grande conflito foram travadas em jardins. No jardim do Éden, Adão resolveu desobedecer a Deus. Não resistiu à tentação e escolheu sua vontade em lugar da vontade do Pai. No jardim do Getsêmani, Jesus, o segundo Adão, escolheu fazer a vontade do Pai sobre a Sua vontade. Assim como a decisão de Adão afetou o homem, a decisão de Jesus também teve seu alcance.

Naquela noite, Jesus devia sentir o coração pesado, como nós às vezes sentimos, resultado de grande decepção ou de uma surpresa desagradável. Tudo que é conhecido pelo homem, em termos de tristeza e apreensão, Ele demonstrava em Seu semblante. Se você estivesse ali no Getsêmani, num canto do jardim, escutaria o clamor de Jesus. Era intensa a luta dEle para Se submeter à vontade de Deus. Agonia. Um forte conflito interno. A luta entre duas forças, e o sentimento de solidão.

Lucas diz que apareceu um anjo para socorrer Jesus. Nós também temos anjos para nos ajudar em nosso Getsêmani. O Dr. George Morrison disse: “Cada vida tem seu Getsêmani e cada Getsêmani tem seu anjo.”

A oração de Jesus no Getsêmani não foi de derrota e desespero, foi uma oração de entrega. Foi uma oração de submissão à vontade de Deus. Enquanto Ele fazia essa oração para o Pai, um anjo veio do Céu para fortalecê-Lo.

“Nessa horrível crise, quando tudo estava em jogo, quando o misterioso cálice tremia nas mãos do Sofredor, abriu-se o céu, surgiu uma luz por entre a tempestuosa treva da hora da crise, e o poderoso anjo que se acha na presença de Deus, ocupando a posição da qual Satanás caíra, veio para junto de Cristo. […] Ele Lhe apontou os Céus abertos, falando-Lhe das almas que seriam salvas em resultado de Seus sofrimentos” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 693).

Jesus fez a mesma oração três vezes. Três vezes foi tentado no deserto, e três vezes foi tentado no Jardim.

Jesus esteve sozinho em Sua agonia para que você não precise estar sozinho. Quando enfrentamos tristeza em nosso próprio Getsêmani, temos a promessa: “Clame a Mim no dia da angústia; Eu o livrarei” (Sl 50:15).


“JAMAIS REJEITAREI!” – 08 DE MAIO 2018

“Quem vier a Mim Eu jamais rejeitarei” (João 6:37).

Aceitação é ser recebido incondicionalmente. Não precisamos cumprir requisitos, receber uma senha, nem chegar no horário. Queremos ser aceitos como somos, ter a certeza de que não existe relutância da parte de Deus para nos aceitar do jeito que somos e como estamos – soltos, livres, com nossas peculiaridades.

Aceitação é uma palavra importante dentro do domínio da graça. Jesus nunca fez um teste com Seus discípulos para decidir se os aceitaria. Não foram aceitos primeiro como aspirantes e depois comprovados como discípulos. Não houve um período de prova no qual estariam sob observação para definir sua admissão no grupo. Jesus também não os deixou em quarentena. Não houve nenhum processo de triagem com Pedro ou Tomé, nem mesmo com Judas, só para ter segurança de que os melhores seriam escolhidos.

Desde o início do Seu ministério, quando chamou os dois primeiros discípulos, até o Calvário, crucificado entre ladrões, Jesus gastou Sua vida revelando a graça de Deus para aqueles que O rodeavam. Demonstrou que a graça é inclusiva. Aceitou ir à casa de Mateus, que tinha convidado um bando de cobradores de impostos e outros “pecadores”. Aceitou a mulher samaritana, a quem escolheu para ser a primeira pessoa a revelar Sua missão. Visitou Zaqueu na casa dele. Tocou leprosos e atraiu crianças a Si.

Por que multidões acorriam a Ele? Ele as aceitava independentemente de sexo, raça ou profissão, ao contrário dos fariseus e mestres que estavam sempre corrigindo os outros, criticando ou encontrando faltas. Com Jesus, as pessoas podiam se dar ao luxo de ser elas mesmas.

Em nosso dia a dia, a aceitação no trabalho depende de desempenho, na escola, de nossas notas; para jogar no time, dos gols ou pontos que marcamos. Às vezes, queremos transferir para o domínio da graça os mesmos critérios. Queremos ter parte no processo de aceitação. Mas a graça nos aceita, a despeito de nossa inaptidão e incapacidade.

Ellen G. White diz: “Devemos ir com todas as nossas fraquezas, leviandades e pecaminosidade, e, arrependidos, lançar-nos a Seus pés. Ele Se alegra ao envolver-nos em Seus braços de amor, curar nossas feridas e purificar-nos de toda impureza” (Caminho a Cristo, p. 52).

Plenitude e riqueza da graça de Deus! Todos são incluídos. Ninguém vai ficar de fora. Seu abraço inclui todos nós.

 


SENTINDO UMA VISÃO – 07 DE MAIO 2018

Os olhos são a candeia do corpo. Quando os seus olhos forem bons, igualmente todo o seu corpo estará cheio de luz” (Lucas 11:34).

Há imagens que facilmente ficam retidas na retina e nos trazem satisfação: o peixe cortando a água, o espectro do arco-íris, o pôr do sol vermelho em zarcão, aquela fita branca que o jato deixa no céu, o mar de encontro às rochas, um pássaro de plumagem multicolorida, o céu estrelado de verão.

O olho é chamado de “o órgão imperial do corpo humano”. Do começo ao fim da Bíblia, os olhos são mencionados em relação a muitas coisas: onipresença – “Os olhos do Senhor estão atentos sobre toda a Terra” (2Cr 16:9); cuidado de Deus – “como a menina dos Seus olhos” (Dt 32:10); inspeção divina sobre o funcionamento da igreja: rodas cheias de olhos (Ez 1:18; 10:12); algo repentino – “num abrir e fechar de olhos” (1Co 15:52). E no Sermão do Monte, Jesus diz: “Os olhos são a candeia do corpo” (Lc 11:34).

Não há nenhum outro órgão no corpo humano que se compare em estrutura e adaptabilidade e que tenha mecanismos tão complexos como o olho humano. Temos a pupila com acomodação automática para maior ou menor entrada de luz. Temos a lente com foco e acomodação automática. Posso enxergar perto ou longe ao mesmo tempo. Posso ver a caneta ou o microfone que está na mão e, ao mesmo tempo, olhar para o céu.

O astrônomo ajusta o telescópio até chegar ao ponto exato do espaço; o pesquisador ajusta o microscópio para ver detalhes da imagem. Posso olhar para a montanha que quero escalar e imediatamente, com focalização automática, ver em meu relógio se já é hora de sair. Com razão, Leonardo Da Vinci disse: “Quem acreditaria que um espaço tão pequeno pudesse conter as imagens de todo o Universo?”

Os olhos também têm sua linguagem que não dá para esconder. Os olhos fulminam quando estão indignados; piscam de contentamento; brilham quando estão entusiasmados ou são doces quando mostram simpatia. Permanecem imóveis quando você está com medo; caídos quando você está triste; ou em fogo quando quer vingança. Há ternura nos olhos da criança e dos noivos sobre o altar. Se os olhos dizem uma coisa e a boca diz outra, em qual dos dois você vai acreditar?

Para aqueles que nasceram cegos e nunca chegaram a ver ou para aqueles que sempre tiveram a felicidade de enxergar, a Bíblia tem uma promessa: “Olho nenhum viu […] o que Deus preparou para aqueles que O amam” (1Co 2:9).

Agradeçamos a Deus as maravilhas do sentido da visão.


DEUS SABE TEU NOME – 06 DE MAIO 2018

“Ele chama as Suas ovelhas pelo nome” (João 10:3).

O ouvido humano está finamente sintonizado para captar especialmente dois sons: o som de uma moeda caindo no chão e nosso próprio nome. Você pode estar numa sala cheia de gente, com aquele vozerio e burburinho, mas se seu nome for falado, você vai identificar facilmente. Não existe nada tão pessoal como nosso nome. Se escuto meu nome, paro e procuro descobrir de onde veio a voz.

Você já esteve às seis da tarde em alguma estação do metrô de São Paulo? Ou na Rua 25 de Março, no mês de dezembro? Já assistiu a reportagens mostrando a saída da multidão de um grande estádio? Vemos apenas o povo, a multidão, um grupo de humanos. Mas, para Jesus, cada rosto é diferente. Cada rosto tem sua história. Cada um é Seu filho. Cada um tem nome. Ele não chama: “Pessoal, sigam-Me!” Ele nos chama individualmente.

Pense agora por um momento: seu nome é pronunciado pelos lábios de Deus! E não somente isso, mas também tem seu nome escrito nas mãos dEle! “Veja, Eu gravei você nas palmas das Minhas mãos” (Is 49:16). Isaías se lembrava de que muitos marinheiros tinham o nome daquelas pessoas a quem amavam em diversas partes do corpo. Nosso nome está gravado nas mãos de Deus. O acesso é mais fácil e rápido do que qualquer clique de computador. Apenas um movimento na mão e ali está o seu nome, o meu nome.

Jesus, como bom Pastor, conhece pelo nome cada ovelha do Seu rebanho. O jornalista Tim Laniek perguntou a um pastor de ovelhas se ele realmente conhecia as ovelhas. O pastor respondeu: “Eu sei o ano em que nasceram, as circunstâncias do nascimento, se fraturaram alguma pata, a que doenças são mais suscetíveis, que animal mais temem; conheço o temperamento de cada uma; se costumam se desgarrar do rebanho, etc.”

Não podemos imaginar Jesus, como nosso bom Pastor, nos conhecer menos do que isso. Ele também conhece as circunstâncias do seu nascimento, como seus pais o trataram, e como está seu coração agora.

“Jesus nos conhece individualmente, e comove-Se ante nossas fraquezas. Conhece-nos a todos por nome. Sabe até a casa em que moramos, o nome de cada um dos moradores. Tem por vezes dado instruções a Seus servos para irem a determinada rua, em certa cidade, a uma casa designada, a fim de encontrar uma de Suas ovelhas” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 479).

Como é bom ter a certeza de que Jesus sabe nosso nome!


O QUE É SER CRISTÃO? – 05 DE MAIO 2018

Em Antioquia, os discípulos foram pela primeira vez chamados cristãos” (Atos 11:26).

O que é ser cristão? Será que existe resposta simples para essa pergunta? O que você responderia? Por que você é cristão? Nasceu numa família cristã? Leu algum livro, estudou em escola cristã, assistiu a uma palestra, um amigo o convidou para estudar a Bíblia?

À medida que crescia o número de seguidores de Cristo em diferentes lugares, eles também recebiam nomes diferentes. Assim, foram chamados de “nazarenos”, pois, como Jesus era de Nazaré, foi fácil transferir esse título para Seus seguidores. Foram também identificados como “galileus”, já que os doze discípulos eram da Galileia. Como então surgiu o nome “cristãos”?

Não, não foi o departamento de comunicação da igreja do primeiro século que se reuniu e disse: “Irmãos, precisamos de uma identificação. De uma nova marca que possa despertar interesse em todos e chegar facilmente ao coração deles.” Eles também não fizeram uma pesquisa ou levantamento colhendo ideias para saber como deveriam ser chamados. Na cidade de Antioquia, depois de um ano de trabalho feito por Barnabé e Paulo, os habitantes da cidade começaram a chamar os seguidores de Cristo de cristãos.

O que levou esse povo a chamar de “cristãos” os seguidores de Cristo? Sem dúvida, as mensagens repetidas que exaltavam a vida e o ministério de Jesus. Mas não apenas isso. Acima de tudo, o exemplo vivo daqueles que haviam se tornado seguidores de Cristo, sua maneira de falar, de vestir e especialmente a compaixão mostrada aos necessitados – tudo isso falava profundamente do que estava no coração daqueles homens e mulheres.

Atualmente, a palavra “cristão” perdeu força e autenticidade. Existe embutida nessa palavra vasta gama de ideias religiosas verdadeiras e falsas. Chamamos de cristã uma pessoa que tem altos padrões morais, ou que na Páscoa e no Natal vai à igreja.

No terceiro século, Cipriano, bispo de Cartago, escreveu ao seu amigo Donatus: “Este é um mundo triste, Donatus, um mundo incrivelmente mau. Mas descobri nele um povo tranquilo e bom que aprendeu o grande segredo da vida. Eles encontraram uma alegria e sabedoria que são mil vezes melhores do que qualquer prazer da nossa vida pecaminosa. São desprezados e perseguidos, mas não se importam. São senhores da sua alma. Eles venceram o mundo. Essas pessoas, Donatus, são os cristãos […], e eu sou um deles.”

Como ser cristão? É simples, muito simples. Basta aceitar Jesus como Salvador e permitir que Ele transforme sua vida.


O ADEUS DE UM HERÓI – 04 DE MAIO 2018

“Você verá a terra somente a distância, mas não entrará na terra que estou dando ao povo de Israel” Deuteronômio 32:52.

Ali estava um grande líder, um gigante espiritual, o homem escolhido por Deus para libertar Seu povo do cativeiro. Havia recebido os dez mandamentos da lei de Deus e escrevera mais do que qualquer outro escritor bíblico que o sucedeu.

Naquele dia ele se levantou mais cedo do que de costume. Antes de o sol nascer. Era seu último dia na Terra com um povo que ele amava e com o qual tinha sofrido.

Mas ainda tinha providências a ser tomadas, coisas a ser colocadas em ordem e palavras finais a dizer para a nova geração.

Israel teria um novo começo naquela terra que manava leite e mel. E se alguém tinha direito a esse novo começo era Moisés. Viver na Terra Prometida tinha sido sua motivação por todo o caminho, desde que deixara o Egito. Ele deve ter implorado a Deus: “Senhor, por favor, deixe-me entrar. Eu sofri com esse povo e sonhei com este momento. Estou só a poucos dias da realização completa. Por quê?”

Despedidas são momentos difíceis tanto para quem sai como para quem fica. Os pastores que ficam de cinco a seis anos numa igreja sabem disso. A vida dos membros começa a fazer parte da sua vida, como a vida dos pastores também começa a fazer parte da vida dos membros da igreja, mas se separam esperando no futuro se reencontrarem pelo caminho. Para Moisés, tinham sido quarenta anos.

Sua vida passou como se fosse um filme diante dele: a educação que recebera da mãe, o dia em que matara o egípcio, seu chamado diante da sarça ardente… Relembrou todas as maravilhas que Deus havia realizado por seu intermédio: a libertação de Israel, a abertura do Mar Vermelho e a derrota do exército egípcio. Lembrou-se do maná, da água fluindo da rocha, da nuvem e da coluna de fogo. E agora, com o coração partido, subia o monte sozinho.

Lá de cima, viu Canaã, a terra com a qual sonhara por quarenta anos. Do outro lado, olhou e viu as tendas e barraquinhas do povo com quem ele estivera acampando por quatro décadas. Deve ter sido uma ocasião de muita emoção para Moisés.

Chegou então o momento. Nenhuma fanfarra tocava. Nenhum discurso. Ninguém lia seu obituário. Não havia trombetas tocando enquanto seu corpo baixava à sepultura. Deus foi quem marcou o lugar onde Seu querido líder descansou.

A história não terminou ali. Deus marcou o lugar da sepultura e, como grande amigo de Moisés, levou-o para junto de Si.


GRAÇA E ACEITAÇÃO – 03 DE MAIO 2018 

“Durante uma refeição na casa de Levi, muitos publicanos e “pecadores” estavam comendo com Jesus” (Marcos 2:15)._

As pessoas frequentam e gravitam em torno dos lugares onde são aceitas. Para um momento de ânimo e até mesmo para relaxar, gostamos de estar com os amigos e grupos onde somos aceitos, onde nos sentimos à vontade e onde não temos medo de ser nós mesmos.

Levi Mateus, ao aceitar o convite de Jesus para ser um de Seus discípulos, quis comemorar esse feito apresentando Jesus aos seus amigos. O melhor que ele sabia fazer era convidar a todos para uma refeição em comum, em sua casa, tendo a Jesus como hóspede de honra. Quem sabe naquele grupo que Marcos chamou de pecadores havia ladrões, adúlteros, moças que tinham cometido aborto, beberrões e usuários de drogas. Não sei que pregador iria se sentir à vontade no meio de um grupo assim. Mas Jesus não Se surpreendeu. Ele reconheceu com que grupo estava e disse: “Eu não vim para chamar justos, mas pecadores” (Mc 2:17).

Naquele que é chamado o sermão mais importante do século 20, o teólogo Paul Tillich definiu graça como “aceitação daquilo que é rejeitado”. Ele diz: “A graça nos atinge quando andamos no vale escuro de uma vida sem significado e vazia… Quando sentimos que a nossa separação é mais profunda do que a habitual… Algumas vezes naquele momento, uma onda de luz invade as trevas como se estivesse dizendo: Você está aceito. Você é aceito por aquilo que é maior do que você e que você não conhece… Não procure nada, não realize nada, não tente nada agora. Simplesmente aceite o fato de que você está aceito! Se isto acontece conosco, experimentamos graça. Depois de tal experiência, talvez não sejamos melhores do que antes… Mas tudo está transformado. Naquele momento a graça conquista o pecado e a reconciliação transpõe o abismo da separação.”

Assim, não temos de persuadir a Deus e nem vencer sua relutância para que nos aceite. Tudo aquilo que precisamos fazer é abraçar a graça de Deus e receber Sua aceitação.

Ele veio e anunciou paz a vocês que estavam longe e paz aos que estavam perto (Ef 2:17).

“Deus aceitará a cada um dos que se chegam a Ele, confiando inteiramente nos méritos de um Salvador crucificado. […] Pode não haver êxtase de sentimentos, mas haverá uma duradoura e pacífica confiança” (ME 1:354).


DEVOÇÃO E LEALDADE – 02 DE MAIO 2018

“Então aqueles três [chefes do batalhão dos trinta] atravessaram o acampamento filisteu, tiraram água da cisterna e a trouxeram a Davi” (II Samuel 23:16).

Toda vez que leio a narrativa bíblica para essa fase da história de Israel, fico fascinado com a garra e a coragem dos soldados de Davi. Eram guerreiros que vieram dos quatro cantos de Israel. Não eram aprendizes entusiastas, mas soldados experimentados. Dentre os 37 mencionados no capítulo 23 do segundo livro de Samuel, três se sobressaíam. Eram os mais corajosos dentre os corajosos e os mais fortes dentre os fortes. Eles portavam no uniforme medalhas e condecorações conquistadas no campo de batalha. Conheciam a dureza da batalha não por simulação, mas em campo aberto.

O primeiro mencionado é Jabesão, que enfrentou com sua lança 800 homens numa mesma batalha e os venceu. O segundo do trio era Eleazar, que ao lutar desde a manhã até a tarde, agarrou a espada com tanta firmeza que no fim do dia não conseguia abrir a mão. E o terceiro era Samá. Os filisteus queriam a plantação de lentilhas que abastecia o exército de Israel. Samá resistiu sozinho e Israel venceu a batalha.

Porém, no meio das façanhas desses guerreiros há um relato interessante. Os três foram se encontrar com Davi na caverna de Adulão. E num instante de saudade ou nostalgia, Davi pensou alto: “Ah, se eu pudesse beber daquela água do poço de Belém.” Quem já acampou em regiões de calor, depois de beber vários dias água praticamente morna, nos momentos de calor intenso, sente o desejo de se refrescar com água bem fria. E os três, que estavam por perto, disseram: “Você ouviu o que o chefe falou? Ele quer aquela água geladinha que tem próximo ao portão de Belém. Vamos lá!”

Havia dois lugares estratégicos em qualquer cidade: o portão e o poço. Apesar de o local estar cercado pelos filisteus, os guerreiros foram, encheram um “cantil” gigante e fizeram uma surpresa para seu líder. Eles entregaram para Davi o “cantil” como se igualassem o feito às grandes conquistas anteriores. Porém, a reação de Davi espantou os guerreiros.

Ao perceber que eles haviam demonstrado devoção arriscando a vida, Davi considerou aquela água sagrada demais para beber e satisfazer sua sede. Para ele, era como se bebesse o próprio sangue daqueles homens, por isso derramou-a como oferenda ao Senhor.

Há um imenso exército de homens e mulheres dedicados e leais que se sacrificam e querem ver o reino de Deus estabelecido. Você deseja ser um deles?


FAZENDO REVEZAMENTO – 01 DE MAIO 2018

“Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos” (Deuteronômio 6:6, 7).

Nos Jogos Olímpicos de Atenas, a equipe feminina norte-americana de revezamento tinha sido classificada para a competição com o melhor tempo. Entre as quatro atletas, estava Marian Jones, que tinha ganhado quatro medalhas na olimpíada anterior, em Sidney.

A corrida de revezamento tem sua estratégia. Nela, o primeiro e o último corredores são os mais importantes. Há um tempo certo e um espaço certo em que o bastão deve ser entregue para quem vai correr depois. Um bom treinador vai dizer que a corrida é ganha ou perdida naquele momento. Qualquer hesitação ou erro de cálculo naquela hora significa derrota.

Marian Jones seria a segunda a correr e passaria o bastão para Lauryn Williams, que ia correr o terceiro trajeto. Lauryn começou a correr enquanto Jones se aproximava, estendeu o braço para trás para receber o bastão, mas a entrega não se completava. Três vezes Marian Jones estendeu o bastão para frente. Finalmente, na quarta tentativa, ela completou a entrega, mas já haviam ultrapassado o trecho permitido para entregar o bastão e foram desclassificadas.

Pais, professores e líderes de jovens que estão na responsabilidade de transmitir valores às gerações futuras estão preocupados com essa transferência de valores. Quanto mais adequado for o relacionamento entre pais e filhos e quanto mais amigável for o relacionamento entre professores e alunos, melhor será para que os valores continuem sendo transmitidos. O conselho de Moisés é sábio: procure o lugar e a hora que sejam mais apropriados, em cada oportunidade e repetidamente. “Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar. Amarre-as como um sinal nos braços e prenda-os na testa” (Dt 6:7, 8).

Sabedor dos valores que o mundo adota, eu ficaria muito intranquilo e inseguro se permitisse que minhas filhas tomassem suas decisões por si mesmas. “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente” (Rm 12:2).

Depois de entregarmos o bastão, vamos torcer para que completem a corrida.


MAIO 2018


ABRIL 2018


A ALEGRIA DO ENCONTRO – 30 DE ABRIL 2018

“Todos nós, tal qual ovelhas, nos desviamos, cada um de nós se voltou para o seu próprio caminho” (Isaías 53:6).

A ovelha não tem o instinto do boi, do cachorro, do gato ou do pássaro, de voltar no fim do dia para casa. É um animal tímido, frágil, que se assusta facilmente. Ela não tem mecanismos e recursos de defesa como outros animais, que têm garras, dentes, espinhos, carapaça, nem correm bastante para fugir do predador. Elas não são espertas e ágeis como outros animais. Você já viu alguma apresentação circense com ovelhas? Elas têm a tendência de se desgarrar, perdem-se com facilidade, percebem que estão perdidas, mas não sabem como voltar ao rebanho.

Existe no pecado a tendência de nos afastar, de nos levar ao esconderijo, de aproveitar o anonimato e viver como fugitivos. De respondermos à insinuação curiosa dizendo: “Deixa ver como é”; “É só desta vez”; “Eu sei aonde estou indo”; “Eu não vou ficar lá”. E nesse afastamento muitos de nós vamos parar no fundo do poço ou à beira do abismo. Ou ficamos enroscados, presos, atolados na lama. E por nós mesmos nunca vamos sair de onde nos metemos.

A procura começa por iniciativa de Deus, e quando Ele busca, nos encontra. Foi assim com a ovelha, com a moeda, com a samaritana, com Saulo de Tarso e com Adão. É Ele quem Se movimenta em nossa direção.

Você se sente perdido agora? Aceite a ajuda do Pastor. Não interessa se está longe ou no mais profundo abismo, Ele pode tirá-lo de lá. Pare de correr, se esconder, se machucar e se martirizar, querendo se convencer, orgulhosamente, de que pode encontrar o caminho de volta sozinho. Deus quer ser nosso pastor e nos trazer de volta ao redil.

Quando o pastor encontra a ovelha, volta de maneira triunfante. Seus melhores sentimentos e suas melhores intenções foram recompensados. “Ele [viu] o fruto do penoso trabalho de Sua alma e [ficou] satisfeito” (Is 53:11, ARA).

“Eu já fui ovelha errante, do pastor eu me afastei, / Quis seguir os meus caminhos e do aprisco me ausentei […] / De repente, ouvi ao longe uma voz tão familiar, / Era o meu pastor chamando, quase rouco de gritar. / Me avistou lá no penhasco e correu pra me alcançar, / Estendeu o seu cajado, conseguiu me resgatar” (“Ovelha Errante”, Jader Santos).


UNIDADE E DIVERSIDADE – 29 DE ABRIL 2018

“Vocês são o corpo de Cristo, e cada um de vocês, individualmente, é membro desse corpo” (I Coríntios 12:27).

Este anúncio estava exposto na frente de uma igreja: “Garantia de sermões de trinta minutos, ou você está liberado de assistir o próximo sermão. Você escolhe somente oito mandamentos. Bancos reclináveis com encosto para a cabeça. A oferta é retirada no fim, seguida de suco de abacaxi com hortelã.” A quem queriam alcançar e qual era o objetivo desse anúncio, também não sabemos.

Usando criatividade, se você tivesse que fazer o marketing da igreja por meio de uma frase cativante, que levasse qualquer pessoa que a lesse a dizer: “Tenho que conhecer essa igreja”, que aspecto salientaria? Volta de Jesus, ação comunitária, carinho e calor humano, compreensão das profecias, a mensagem especial sobre nossa saúde, ou o quê?

A Bíblia tem dezenas de imagens para explicar o que é uma igreja. Encontramos figuras como arca, farol, rede, exército, família, noiva, etc. Cada uma salienta diferentes aspectos das atividades da igreja.

Uma imagem rica é a que compara a igreja ao corpo. Um corpo forte e saudável se caracteriza, em primeiro lugar, pela unidade. A Bíblia menciona, de maneira enfática, a importância da unidade na igreja. Não devemos pensar que unidade é uniformidade ou homogeneidade: “creia como eu creio”; “pense como eu penso”; “faça como eu faço”. Mesmo que existam diferenças de pensamento entre as gerações, conflitos teológicos e o desafio de um rápido crescimento que ameace sua unidade, a igreja superará esses desafios e permanecerá forte e unida.

Assim, lá no extremo norte, na Noruega, bem como em Ushuaya, extremidade oposta, no sul da Argentina, temos os mesmos princípios e alimentamos a mesma esperança da volta de Jesus. “Unidade na diversidade é um princípio que permeia toda a criação” (C.B.A., v. 5, p. 1.164).

Em segundo lugar, vem a diversidade. Temos culturas, línguas e dietas diferentes. Toleramos e respeitamos a diversidade. Será que não podemos avançar um degrau acima e celebrar também nossas diferenças e nossa diversidade?

Finalmente, vem a vitalidade. O que precisamos para ter uma igreja mais viva, alegre e dinâmica? Culto mais participativo? Clima de aceitação e carinho? Multiplicidade de ministérios? Mais jovens participando?

O convite é para que, onde você estiver, em qualquer lugar, num grupo grande ou pequeno, mostre que está vivamente ligado ao corpo de Cristo e ao povo de Deus.


ORAÇÃO PERSISTENTE – 28 DE ABRIL 2018

“Jesus contou aos Seus discípulos uma parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar” (Lucas 18:1).

Quantas vezes você seria capaz de tocar a campainha até ser atendido? Você chama pelo telefone até a linha cair? Insiste se a linha estiver ocupada? Não gostamos de insistir. Queremos nos valer de posição social ou de relacionamentos para ter nossos pedidos atendidos prontamente. Queremos ser clientes preferenciais em todos os lugares, sem filas ou esperas, e que nossos pedidos sejam atendidos no tempo e da maneira como desejamos.

Por outro lado, não gostamos que insistam conosco. Você e eu certamente conhecemos pessoas que chegam a ser inoportunas quando querem alguma coisa de nós. Insistem além da conta, chamam pelo telefone a toda hora – e fora de hora. Quando menos você espera, recebe o aviso de que alguém o aguarda. “Ah! Não é possível! De novo? Por favor!” É aquele tipo de pessoas que você atende de pé e com a porta aberta.

A viúva dessa parábola era insistente. Ela não ficou preocupada, esfregando as mãos. Pensou: “Não tenho outra opção. Ele é a pessoa para solucionar meu problema. Já sei, vou insistir e persistir.” E foi o que ela fez. Incomodou até que finalmente conseguiu. Não pela bondade do coração do juiz, mas pela insistência.

A lição que Jesus queria ensinar era de contraste. Se alguém conseguiu resposta de um juiz insensível, com muito mais razão podemos perguntar: “Deus não vai me atender?”

Em seu livro Oração, Phillip Yancey menciona as palavras do escritor e pai Jerry Sittser: “Ao longo dos anos, meus filhos têm me pedido muitas coisas: CD players, bicicletas, barcos, carros, casas, férias exóticas […] tudo o que se possa imaginar. Não lhes dou atenção na maior parte das vezes. Meu coração endurece a cada pedido. Meus ouvidos, no entanto, ficam aguçados quando persistem, porque em geral a persistência indica seriedade no assunto” (Oração, p. 180).

A persistência deve então ser vista como sinal de um pedido genuíno.

É bom saber que não temos um Deus relutante, mesquinho para nos atender; que pede que nos arrastemos e fiquemos rastejando no pó, para ser convencido de nos dar algo. Temos um Pai desejoso de nos socorrer, ajudar, proteger. “Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai de vocês, que está nos Céus, dará coisas boas aos que Lhe pedirem!” (Mt 7:11).


LAVADOS COM SANGUE – 27 DE ABRIL 2018

“Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras no sangue do Cordeiro” (Apocalipse 22:14 ARA).

Há um pessoal que dificilmente você vai encontrar com roupa limpa durante seu período de trabalho: mecânicos, tratoristas, limpadores de chaminé e aqueles que trabalham em minas de carvão. Além de as roupas ficarem visivelmente sujas na hora de lavar, precisam de um solvente especial para tirar as manchas de graxa, de tisne ou de barro.

Era um encontro de fim de semana no interior de Santa Catarina com líderes de desbravadores do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina [conta José Maria Barbosa Silva]. Nas atividades do sábado à noite estavam a tirolesa, caminhada, um pequeno trecho de descida num riacho e passar entre dois tonéis com fogo.

Como tinha chovido na hora da descida no riacho, sabendo que o seu leito tinha um misto de barro e lama, quis ser o segundo da fila para não pegar tanto refluxo da subida de lama e folhas enquanto andava. Na minha frente estava um líder de desbravadores baixinho. Um Zaqueuzinho. Enquanto a água estava para ele quase nos ombros, para mim estava um pouco acima da cintura.

Depois das atividades, a camiseta tinha perdido sua cor original, e fiquei meia hora debaixo do chuveiro tomando banho com o jeans para tirar o barro que tinha se impregnado nela. Posso dizer que uma das melhores coisas que pode acontecer conosco é desfazer-nos de uma roupa barbaramente suja que trazemos em nosso corpo e tomar um bom banho.

A mudança de vestes na Bíblia é usada várias vezes como ilustração de mudança de vida e de uma nova experiência. Do sumo sacerdote Josué, o anjo disse: “Tirem as roupas impuras dele.” E depois disse para o próprio Josué: “Veja, eu […] coloquei vestes nobres sobre você” (Zc 3:4). A mesma coisa o pai fez com o pródigo que chegou com a roupa cheirando a guardador de porcos. O pai falou: “Tragam a melhor roupa e vistam nele” (Lc 15:22). E no livro de Apocalipse quando um dos anciãos pergunta: “Quem são estes que estão vestidos de branco?” A resposta foi: “Estes são os que […] lavaram as sua vestes e as alvejaram no sangue do Cordeiro” (Ap 7:13, 14).

Elas não nos fazem puros, mas são um emblema da pureza que nos vêm através de Jesus. Ao andarem de branco no Céu, significa uma permanente lembrança de que fomos justificados pela fé.

“Regozija-se a minha alma em meu Deus! Pois Ele me vestiu com as vestes da salvação e sobre mim pôs o manto de justiça” (Is 61:10).


ELE TEM PODER – 26 DE ABRIL 2018

“Jesus disse: ‘Jovem, eu lhe digo, levante-se!’” (Lucas 7:14).

Duas multidões. Dois grupos indo em direções opostas. Duas procissões contrastantes. De um lado, uma multidão vibrante que havia presenciado alguns milagres de Jesus e O acompanhavam. Era como se estivessem em plena primavera. Do outro, o cortejo fúnebre do jovem filho único de uma viúva. Não sabemos o nome dele, sua idade, nem o motivo da morte. Pela quantidade de pessoas que acompanhavam o cortejo, tanto o filho como a viúva deviam ser pessoas apreciadas em Naim.

O natural seria que a multidão que ia com Jesus se colocasse ao lado para que o cortejo fúnebre passasse. O que a multidão triste não sabia é que estava se aproximando do Doador da vida. Tenho certeza de que se eles soubessem que era Jesus que estava à frente do outro grupo, teriam enviado um recado para Ele. Mas não há nenhum registro de que nem mesmo dos lábios da mãe, que estava à frente do esquife, tenha saído algum pedido. O único apelo era o do coração de mãe. Assim, Jesus tomou a iniciativa de ir ao encontro dela e disse: “Não chore pelo seu filho. Vou trazê-lo de volta à vida.” Isso mostra que mesmo diante de dor incrível, Jesus tem a solução. Era o coração dEle mostrando simpatia e compaixão pela mãe que tinha perdido o filho único.

Jesus Se sente atraído por aqueles que estão tristes e com o coração quebrantado. Ele conhece nossa dor, nossas necessidades, nosso desamparo; e ninguém está mais disposto a nos ajudar quando estamos em problemas do que Jesus.

Jesus falou seis palavras que mudaram a situação: “Jovem, eu lhe digo, levante-se!” (Lc 7:14). Naquele momento, estava se cumprindo Sua palavra: “Aquele que crê em Mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em Mim, não morrerá eternamente” (Jo 11:25, 26).

Depois de Jesus o haver ressuscitado, sua feição estava corada, cheia de vida. Mãe e filho se uniram num abraço. Foi um momento de graça para ambos. “A procissão fúnebre volveu a Naim como um cortejo triunfal. […] Sua palavra [de Jesus], que chama os mortos à vida, não é de maneira nenhuma hoje menos eficaz do que ao dirigir-se ao jovem de Naim. […] Esse poder não diminui pelo espaço dos anos, nem se esgota pela incessante atividade de Sua excessiva graça. A todos quantos creem, continua a ser um Salvador vivo” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 319).


APLAUSO E LAMENTO – 25 DE ABRIL 2018

“Quando Se aproximou e viu a cidade, Jesus chorou sobre ela” (Lucas 19:41).

Qualquer outro desfile é esquecido, mas este é lembrado ano após ano, século após século. É a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Durante Seu ministério, Ele sempre evitava chamar atenção. Dizia às pessoas que curava que não contassem o milagre para ninguém. E sempre andava a pé com Seus discípulos. Mas naquele momento todos se surpreenderam, quando Jesus pediu um burrinho para montar. Generais e reis usavam cavalo somente quando iam para a guerra. Mas, quando um rei ou general vinha trazendo paz, montava um burrinho. E Jesus escolheu um que ainda não tinha sido usado.

O cortejo começou em Betânia, e à medida que se aproximava de Jerusalém, a adesão era cada vez maior. O aplauso e o vozerio eram cada vez mais crescentes.

O livro O Desejado de Todas as Nações diz que esse cortejo era diferente daqueles feitos pelos conquistadores. Os troféus que Jesus exibia eram os endemoniados a quem Ele tinha libertado e os cegos, coxos, surdos e mudos a quem Ele havia curado. As crianças a quem Ele havia dado atenção estavam ali, agitando palmas. Estavam ali também naquela multidão as viúvas e órfãos a quem Jesus ajudara; os leprosos a quem o Mestre tinha curado e aqueles a quem Ele tinha ressuscitado – e Lázaro era quem conduzia o animal. Todos cantavam sua libertação, a pessoa diferente que eram agora e a oportunidade de novo começo.

Mas, por um momento, Jesus deteve a procissão; Ele estava chorando. Devia ser um motivo muito forte para mudança tão brusca no clima emocional.

Jesus chorava sobre Jerusalém como uma cidade de oportunidade perdida e por não ter aceitado quem Ele era. Viu no futuro a cidade em chamas, e ouviu os gritos e o clamor de mulheres e crianças que morreriam ali. Chorava por aqueles que O rejeitaram. Quantas vezes Ele tinha explicado Sua missão, mas eles não entenderam. Até mesmo os discípulos tinham cada um sua agenda.

Jerusalém, você teve tantas oportunidades! Bênçãos, convites, ensinamentos, milagres. Mas todos foram recebidos com indiferença. Ele disse para Jerusalém: “Quantas vezes Eu quis […], mas vocês não quiseram” (Mt 23:37).

Que pena! Não esqueça os convites que Deus faz!


PRECISA DE UM MILAGRE? – 24 DE ABRIL 2018

“Que é mais fácil dizer ao paralítico: Os seus pecados estão perdoados, ou: Levante-se, pegue a sua maca e ande?” (Marcos 2:9).

Era uma cena potencialmente desanimadora: quatro homens levando um paralítico numa padiola. Eram amigos dele. Tinham muita pena, pois havia anos ele estava naquela situação. Ao saberem da fama que se espalhava sobre os milagres de Jesus, disseram: “Nosso amigo precisa ver Jesus. Ele precisa de um milagre. Temos que promover um encontro entre os dois.”

Mas toda aquela euforia e disposição deram de frente com um desafio quando chegaram à casa de Pedro (cf. O Desejado de Todas as Nações, p. 267, 268). Gente apinhada nas portas, crianças nas janelas, pessoas por todo lado. Não havia nenhuma indicação de fila especial para portadores de deficiência. Ao pedirem licença, as pessoas que não queriam perder nenhum lance e desejavam escutar cada palavra de Jesus se uniram mais ombro a ombro. Faziam-se de surdas. Porém, o amor sempre encontra um caminho. E esse não era um grupo que por qualquer razão procura desculpa a fim de escapar de um compromisso. Eram persistentes e insistentes, e tiveram uma ideia ousada: “Vamos colocar nosso amigo frente a frente com Jesus. Vamos descê-lo pelo teto!”

Pontos a favor: não havia ninguém no caminho para o teto; seria bem mais rápido; tinham cordas para amarrar a maca.

Pontos contra: “Ninguém fez isso antes; eles vão nos expulsar.”

E o paralítico, a princípio com um misto de medo e apreensão, encontra-se agora diante de Jesus. O Mestre, olhando mais para o interior do homem, disse: “Os seus pecados estão perdoados.”

Esse era seu maior fardo. Era o elemento paralisante que o prendia. Sabia que ele mesmo era culpado por estar naquela situação. Sua reação foi imediata: “É disso mesmo que estou precisando.” Foi à presença de Jesus para uma coisa e recebeu outra melhor. É sempre assim quando vamos a Jesus em dependência e necessidade.

Quando Jesus disse “Toma o teu leito e anda”, ele começou a sentir que seus músculos, até então entravados, começaram a reagir. Sentiu elasticidade nas veias. Podia se levantar. Podia voltar a ser o que sempre sonhara. Ele entrou carregado na maca que o acompanhava havia anos, mas saiu ele mesmo carregando a maca – e com os pecados perdoados.

Hoje, a graça de Cristo é suficiente para fazê-lo voltar a andar e para tirar o fardo pesado do pecado que eventualmente você esteja carregando.


EM TERRENO PROIBIDO – 23 DE ABRIL 2018

“Salomão aparentou-se com Faraó, rei do Egito, pois tomou por mulher a filha de Faraó e a trouxe à Cidade de Davi” (I Reis 3:1).

Tudo corria bem em todos os domínios do reino de Salomão. Ele desfrutava paz, e as nações vizinhas admiravam a sua sabedoria. “A princípio, ao virem-lhe riquezas e honras mundanas, ele permaneceu humilde, e grande foi a extensão da sua influência” (PP, p. 51). Mas a história registra uma melancólica virada na trajetória desse grande governante. Ele, agora, estava se afastando da adoração de Jeová para se curvar ante os deuses do paganismo.

Um passo decisivo nessa direção foi aventurar-se em terreno proibido. Com a intenção de fortalecer suas relações com o poderoso reino egípcio, tomou a filha de Faraó como sua esposa. Ele presumiu que sua sabedoria e o poder do seu exemplo conseguiriam levar suas mulheres a abandonar a idolatria. A intenção era boa, mas os métodos não tinham a aprovação divina. Esse comportamento estranho começou a se delinear à medida que Salomão foi perdendo de vista a Fonte de seu poder e glória. Suas inclinações carnais ganhavam ascendência sobre a razão, e por isso a confiança em si mesmo aumentava.

Não podemos permitir que nossas paixões nos ceguem a razão. O sábio rei tornou-se, de uma hora para outra, um homem tolo. Muitos de seus provérbios descem o chicote nos tolos. Um exemplo: “Por falta de senso, morrem os tolos” (10:21). A tolice de se curvar perante deuses pagãos era um caminho para a morte. E notemos, agora, a maior incoerência de Salomão em face do que ele escreveu em Eclesiastes 5:1: “Guarda o teu pé, quando entrares na Casa de Deus; chegar-se para ouvir é melhor do que oferecer sacrifícios de tolos, pois não sabem que fazem mal”. E a Bíblia registra o ponto a que Salomão chegou: “Sendo já velho, suas mulheres lhe perverteram o coração para seguir outros deuses” (1Re 11:4).

Um dos métodos do diabo é levar-nos a adotar costumes mundanos. Sua estratégia é gradativa e começa por coisas aparentemente insignificantes: jugo desigual no namoro e casamento, jeitinho daqui e jeitinho dali para burlar o fisco, enfeites e adornos, e assim por diante. Tais coisas constituem o primeiro degrau. Com o tempo, porém, os pés do tolo alcançam o último degrau da escada da apostasia.

Nossa salvaguarda consiste em estarmos em perene comunhão com Deus. A oração é um antídoto contra a estultícia.


AMOU PRIMEIRO – 22 DE ABRIL 2018

“Nós amamos porque Ele nos amou primeiro” (I João 4:19).

Que bela flor é o amor-perfeito! Com suas pétalas multicores, embeleza tantos jardins! Significa amor romântico e perene. Diz-se que apaixonados, quando se ausentavam por longo tempo, o davam de presente, como garantia que seu amor nunca seria esquecido. Associa-se também ao amor materno. Quando presenteado no Dia das Mães simboliza amor infinito. Por essas e outras estórias, a flor leva esse nome. De origem europeia, se adapta melhor a clima mais frios. Não resiste ao calor, definha. Por mais belo e romântico que seja, o amor-perfeito é frágil, finito. Logo, não é tão perfeito! Contrapõe-se ao verdadeiro e perfeito amor, que não depende do clima e é infinito: Deus. Ele é a origem do amor. Ele nos amou primeiro, não pelo que somos, mas porque Ele é amor.

Como gosto da primeira carta de João! Joia preciosa! Vale a pena ler e reler, para que sejamos impregnados de sua essência: o amor de Deus! Expresso na entrega de seu Único Filho para nos salvar. Derramado nos corações daqueles que O conhecem.

Que nosso amor não seja efêmero como a flor, mas duradouro, pois se origina em Deus, o Eterno. Que possamos amar “em ação e em verdade” (3:18) e que nossas vidas exalem o perfume do autêntico amor perfeito!

Facebook Comments
Fale Conosco!